Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Quinta Feira 02 de Dezembro de 2021

Saúde

Secretário de saúde diz que 10% da população resiste a tomar vacina

Governo intensificou campanhas e explica que imunização é o que assegura flexibilização de medidas

Vacinação | 22 de Novembro de 2021 as 11h 49min
Fonte: Mídia News

Foto: Tchélo Figueiredo - Secom/MT

O secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, afirmou que 10% da população apta a ser vacinada contra a Covid-19 em Mato Grosso ainda resiste à imunização e apontou que apenas uma cobertura vacinal significativa poderá garantir o retorno à normalidade.

Segundo os últimos dados divulgados pelo Governo do Estado, 89% da população já tomou a primeira dose da vacina, enquanto pouco mais de 61% completou o esquema de imunização – ou seja, já tomou as duas doses ou a dose única da vacina.

“Algo em torno de 10% da população ainda resiste [a tomar vacina] e o triste é que, dentro desse grupo, temos pessoas que são influenciadores. Inclusive, tem profissionais da área da saúde que se recusam a vacinar”, disse.

“E essa decisão individual acaba comprometendo toda uma necessidade de pensamento coletivo. A pessoa está vulnerável e pode contaminar outros caso ela seja infectada”, acrescentou. Figueiredo, por essa razão o Governo intensificou as campanhas de vacinação para convencer os cidadãos, inclusive com o anúncio da liberação da dose de reforço para toda a população acima de 18 anos.

“É muito importante que a gente tenha uma cobertura vacinal ampla, de 90% ou acima, para a gente pensar em flexibilizar ou até extinguir o uso de máscara”, disse.

Atualmente, Mato Grosso tem registrado cada vez menos casos de infecção e de mortes por Covid-19. No final de semana, por exemplo, foram notificados apenas dois óbitos em todo o Estado.

O secretário salientou que, na maior parte dos casos, as mortes são de pacientes que não foram vacinados e que acabam tendo casos graves da doença, dependendo de internação em hospitais.

“O paciente que ainda não vacinou é o maior usuário dos leitos hospitalares nesse momento. São aqueles que teimam em não se vacinar”, afirmou.