Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Terça Feira 17 de Maio de 2022

Menu

Saúde

Saúde alerta que passa de 50% número de pacientes que faltam em procedimentos médicos

Mais MT cirurgias | 04 de Março de 2022 as 09h 40min
Fonte: Karoline Kuhn - Assessoria da Prefeitura

Foto: Assessoria-Arquivo

Pouco mais da metade dos munícipes de Sinop que foram chamados pela equipe da Central Municipal de Regulação para realizar algum exame, procedimento médico ou consulta pré-cirúrgica, ofertados através do programa Mais MT Cirurgias, não compareceram na data e hora marcadas e acabaram perdendo a vaga. É o que aponta a secretária de Saúde, Daniela Galhardo, após uma recente análise feita pelo setor.

“As pessoas estão confirmando a presença, estamos emitindo as guias e elas não estão indo. Tanto no procedimento quanto nas consultas pré-cirúrgicas. E, a partir do momento que o paciente não vai, o nome sai da lista e ele tem que procurar um posto de saúde e pegar uma nova APAC [Autorização de Procedimentos]”, pontuou a gestora da pasta.

O Mais MT Cirurgias é um programa do Governo Estadual, com contrapartida do município, com objetivo de ofertar diversos tipos de exames e procedimentos para os pacientes que aguardam na fila de espera da regulação há algum tempo. O objetivo é contemplar pessoas que estão desde 2016 até meados de 2021 nesta relação.  São aproximadamente 70 tipos de procedimentos liberados.

A secretária destaca que as ausências não justificadas dos pacientes que confirmaram as realizações dos procedimentos acabam interferindo na organização dos processos, bem como na oportunidade de outras pessoas serem atendidas. “Nós fazemos uma programação. Organizamos consultas, exames e a pessoa não avisa que não vai. Ela simplesmente não comparece. Então, acaba tirando a vaga de alguma outra pessoa que poderia estar indo naquela oportunidade”, destacou Galhardo. “A cada 100 pessoas das quais ligamos e confirmamos, mais ou menos 60% acabam faltando e não justificam”, complementou.

Conforme a secretária, outra dificuldade enfrentada pelos profissionais da central de regulação do município é a localização dos pacientes. Isto porque, muitos mudam de endereço ou telefone e não atualizam as informações cadastrais no Sistema Único de Saúde (Cartão SUS). Essa atualização é simples e pode ser feita diretamente na Unidade Básica de Saúde de referência do bairro onde o munícipe mora. “Então, pedimos que todas as pessoas que têm exames ou procedimentos lançados na regulação e que estão na fila de espera, mantenham seus números de telefones atualizados no cartão SUS”, finalizou.