Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 17 de Setembro de 2021

Saúde

Mato Grosso vai aplicar 3ª dose em idosos a partir de setembro, diz secretário de Saúde

Gilberto Figueiredo indicou início da aplicação da imunização de reforço para segunda quinzena do mês; Pfizer deve ser usada

Covid-19 | 26 de Agosto de 2021 as 09h 47min
Fonte: Camila Ribeiro / MT Notícias

Christiano Antonucci/Secom-MT

Idosos e pacientes com doenças imunossupressoras de Mato Grosso devem receber a terceira dose da vacina contra a Covid-19 a partir da segunda quinzena de setembro. Neste primeiro momento, recebem o reforço na imunização, pessoas com mais de 70 anos que tenham completado seis meses da segunda dose. A afirmação foi feita pelo secretário de Saúde do Estado, Gilberto Figueiredo, em entrevista na Radio Capital, nesta quinta (26).

 “O ministério da Saúde comunicou aos secretários estaduais que o início dessa terceira dose é estimando para a segunda quinzena do mês de setembro”, disse Figueiredo.

A orientação foi feita pelo ministro Marcelo Queiroga em assembleia do Conselho Nacional de Saúde (Conas) realizada ontem. Segundo o secretário, Queiroga pediu calma aos gestores e recomendou que o Plano Nacional de Imunização (PNI) continue a nortear os municípios, evitando um possível colapso com a falta de doses.

“O ministro enfatizou a importância para que todos os municípios sigam a orientação do plano nacional de vacinação para que ninguém se antecipe, para não haver um colapso, faltando doses, evitando que o gestor público enfrente desgastes”, acrescentou Figueiredo.

A chamada “dose de reforço” tem como objetivo fortalecer o sistema defensivo do público-alvo contra o Coronavírus.

Queiroga definiu que o imunizante utilizado será o Pfizer. Questionado sobre possível politicagem em torno do laboratório fabricante, Gilberto Figueiredo foi direto e falou que acredita em polarização na escolha da marca. “Dá para se perceber desde o início da campanha vacinal no país uma mistura entre as decisões técnicas e políticas. Vale ressaltar que logo no início era demonizada a vacina da Coronavac”, opinou o secretário.