Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 24 de Setembro de 2021

Saúde

Governador diz que Mato Grosso sofrerá a consequência da rejeição ao isolamento

Mendes alertou para um sentimento crescente no país de insubordinação, de desobediência às leis. “Isso é muito perigoso, e pode fugir ao controle “.

Contaminação e mortes | 25 de Março de 2021 as 09h 20min
Fonte: Pedro Pinto de Oliveira

Foto: Mayke Toscano-Secom-MT

O governador Mauro Mendes (DEM) confirmou agora pela manhã, em entrevista à Rádio CBN nacional, que anunciará novas medidas de restrições, “um aperto”, para tentar evitar a escalada de contaminação e mortes pela Covid em Mato Grosso, mas que não será um lockdown.

 “O distanciamento social é a grande ferramenta, o mecanismo eficaz, mas se a maioria da população rejeita a medida temos que respeitar, um direito democrático, mas lembrando que essa postura tem consequências trágicas”, afirmou Mendes. Mato Grosso tem o pior nível de distanciamento em relação a todos os estados brasileiros.

Sem fazer críticas mais contundentes, Mauro Mendes afirmou que ainda falta o comando do presidente Jair Bolsonaro no enfrentamento da pandemia e lamentou o papel dele como influenciador da postura negacionista e de rejeição às medidas de isolamento.

 “O diálogo deveria ter vindo antes, mas é louvável essa iniciativa agora de compartilhar esforços”, destacou Mendes em relação à reunião promovida ontem pelo presidente. Além da ação de unidade das autoridades, o governador pontuou que a postura dos líderes deve ser de respeito à ciência e respeito às medidas reconhecidas como necessárias para conter a pandemia.

Mauro Mendes alertou para um sentimento crescente no país de insubordinação, de desobediência às leis. “Isso é muito perigoso, e pode fugir ao controle “, disse.

O governador acredita que, entre abril e maio, Mato Grosso terá um incremento no processo de vacinação. “Isso se o ministério da Saúde cumprir com as metas estabelecidas. Essas metas não podem virar meros números de tabela Excel, o que irritará ainda mais a população que está à espera de tomar a vacina”, afirmou Mauro Mendes na entrevista à emissora.