Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sábado 24 de Fevereiro de 2024

Menu

Malária

65% dos casos de malária registrados em MT ocorreram em áreas de garimpo

A doença tem cura e o tratamento pode ser realizado por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Saúde | 12 de Janeiro de 2024 as 08h 17min
Fonte: Redação G1-MT

Foto: Ministério da Saúde

Dados levantados pela Secretaria de Estado de Saúde (Ses-MT) mostram que 65% dos casos de malária em Mato Grosso, registrados em 2023, ocorreram em regiões onde há garimpo. O estado registrou 1.105 casos da doença, sendo 718 casos em áreas de garimpo e 87 casos em áreas indígenas.

A malária é uma doença infecciosa, febril, aguda e potencialmente grave. A infecção pode acontecer por picada do mosquito do gênero Anopheles, também conhecido como "mosquito-prego", por transfusão de sangue contaminado, através da placenta (congênita) para o feto e por meio de seringas infectadas.

A doença tem cura e o tratamento pode ser realizado por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, ela pode evoluir para formas graves se não for diagnosticada e tratada da forma adequada.

Entre os sintomas, a pessoa infectada pode apresentar febre alta, calafrios intensos que se alternam com ondas de calor e suor excessivo, dor de cabeça e no corpo, falta de apetite, pele amarelada e cansaço. Dependendo do tipo da doença, esses sintomas se repetem a cada dois ou três dias.

O período de incubação varia de 7 a 28 dias a partir do momento da picada. Para confirmar o diagnóstico, as unidades básicas de saúde fazem o teste rápido, que consiste em retirar uma gota de sangue da ponta do dedo e analisar. O tratamento padronizado pelo Ministério da Saúde é feita por via oral e não deve ser interrompido.

Recomendações

  • Use repelente no corpo todo, camisa de mangas compridas e mosquiteiro quando estiver em zonas endêmicas

  • Evite banhos em igarapés e lagoas ou expor-se a águas paradas ao anoitecer e ao amanhecer, horários em que os mosquitos mais atacam, se estiver numa região endêmica;

  • Procure um serviço especializado se for viajar para regiões onde a transmissão da doença é alta, para tomar medicamentos antes, durante e depois da viagem;

  • Não faça prevenção por conta própria e, mesmo que tenha feito, se tiver febre, procure atendimento médico;