Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Sábado 24 de Fevereiro de 2024

Menu

Agro news

Produtores aumentam pedidos para usar água irrigada na manutenção de lavouras em MT

Atualmente são plantados 293 mil hectares em Mato Grosso com sistema de irrigação

Rural | 02 de Janeiro de 2024 as 14h 19min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

A escassez hídrica registrada nesta temporada de plantio de soja, principal safra do Estado, traz à tona a discussão de quanto a irrigação é necessária para garantir o cultivo de commodities e alimentos no Estado. Tanto que os requerimentos de outorga junto a Agência Nacional de Águas (ANA) saltaram de 3 pedidos em 2013 para 22 em 2023.

Os pedidos tem como finalidade o uso da água para lavouras de feijão e soja. Regiões afetadas pela escassez de água em períodos específicos do ano, como na região Centro-Oeste, algumas culturas e safras só se viabilizam com a aplicação suplementar de água nestes períodos.

Atualmente são plantados 293 mil hectares em Mato Grosso com sistema de irrigação especialmente em Sorriso, onde a técnica é utilizada para a produção de feijão. Outras cidades produtoras de grãos como Campo Novo do Parecis, Primavera do Leste e Campo Verde também fazem uso da irrigação.

Um estudo encomendado pelo Governo do Estado irá identificar o potencial das águas subterrâneas e águas superficiais (rios, lagos), em Mato Grosso, visando aumentar a área da agricultura irrigada para garantir a produção de grãos, diante da redução gradativa das chuvas desde o ano 2000. O levantamento está em andamento e é realizado pelo Instituto Mato-grossense de Feijão, Pulses, Grãos Especiais e Irrigação (Imafir), em parceria com a Universidade Federal de Viçosa e a Universidade do Nebraska.

Mato Grosso tem capacidade de chegar a 4 milhões de hectares para produção com irrigação. O potencial do subsolo ainda é desconhecido e o estudo fará a identificação do que é possível utilizar pela agricultura.

O trabalho começará pela região de Primavera do Leste, na bacia do Rio das Mortes, e em Sorriso, na Bacia do Alto Teles Pires. A previsão de duração é dois anos.

As altas temperaturas durante todo o ano e a estação chuvosa tem garantido duas culturais anuais – 1ª e a 2ª safra – em Mato Grosso. Contudo, a mudança no regime de chuvas que cada vez pode prejudicar a segunda safra, que inicia geralmente em março após a colheita da soja, a principal cultura do Estado.

Para aumentar o ritmo de produção de grãos, Mato Grosso pode utilizar de 2 milhões a 12 milhões de hectares de áreas irrigadas.