Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Domingo 03 de Março de 2024

Menu

Soja

Ministro vai buscar medidas para quebra de safra em função da seca

Em algumas lavouras de Mato Grosso, produção tem ficado na casa das 20 sacas por hectare

Rural | 18 de Dezembro de 2023 as 11h 24min
Fonte: Jamerson Miléski

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Favaro, enviou, na manhã desta segunda-feira (18), uma mensagem dirigida aos produtores de soja de Mato Grosso. O ministro disse que recebeu informações de que já foi iniciada a colheita no Estado, em função de um ciclo anormal de maturação provocado pela falta de chuvas. Segundo Favaro, em alguns casos a produção ficou na casa de 10 a 20 sacas por hectare, o que ele classificou como “muito grave” e “preocupante”.

Favaro disse que vai acionar a equipe técnica do Ministério, para que levante a situação junto aos produtores. A ação visa gerar informações mais sólidas para que medidas sejam adotadas. “Em momentos de excepcionalidade, precisamos de medidas excepcionais”, pontuou.

O ministro afirmou que é uma determinação do presidente Lula não deixar que os produtores passem maiores dificuldades em função das mudanças climáticas.

A “excepcionalidade” da qual Favaro se refere foi um ciclo de chuvas bem adverso, que bagunçou o calendário da soja. Em geral, o plantio inicia em setembro e se encerra em novembro. Mas nesse ano, dias depois das últimas sementes serem plantadas, já tinha produtor colhendo.

Em Ipiranga do Norte, o produtor Valcir Batista Gheno começou a colher no dia 29 de novembro. Pelo ciclo do material que semeou, a colheita era prevista para o dia 22 de dezembro. “Infelizmente por ter dado um veranico no enchimento de grão ela antecipou o ciclo dela. Um grão muito chocho”, explica o produtor, que registrou cerca de 30 sacas por hectare, volume bem abaixo da média de 80 sacas na safra anterior, na mesma propriedade e com a mesma semente.

Em Nova Ubiratã, o produtor Clovis Antônio Cenedese, plantou a soja no fim de setembro e começo de outubro, em sua propriedade de 2,6 mil hectares. Logo sofreu uma estiagem de 12 dias que comprometeu os primeiros grãos plantados. Ele acabou fazendo o replantio em várias áreas. “No dia 18 de outubro tivemos chuvas generalizadas, que ajudaram a terminarmos o plantio. Mas após disso, uma nova estiagem”, conta.

 

Cadê a chuva?

De acordo com Luiza Cardoso, porta-voz na Climatempo, a onda de calor no Centro do Brasil deve se manter até o dia 20 de dezembro.

“Muitas lavouras vão enfrentar essa nova fase de floração sob uma nova onda de calor, com muitas regiões realizando o replantio. Essa onda de calor deve reduzir ainda mais o potencial produtivo da soja, e os produtores precisam ficar mais atentos”, analisa.

Assim, segundo Cardoso, o clima seco também não deve favorecer aos produtores que optaram pelo cultivo do algodão no lugar da soja.