Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Março de 2024

Menu

Controle de pragas

Início da safra de soja exige atenção redobrada às pragas de solo

Percevejos, lagartas, corós e besouros podem estar presentes no momento da semeadura e causar prejuízos com o consumo de sementes

Rural | 27 de Setembro de 2023 as 10h 13min
Fonte: Assessoria

Foto: Assessoria

Com o fim do vazio sanitário da soja, mais um ciclo da cultura teve início nos estados produtores. O período de semeadura e a fase de emergência das plantas são cruciais para o desenvolvimento da safra e exigem muitos cuidados, entre eles o controle de pragas e doenças. Em Mato Grosso, é importante que os produtores rurais fiquem atentos à incidência, principalmente, de corós, percevejo castanho-da-raiz (Scaptocoris castanea e S. carvalhoi), lagarta elasmo (Elasmopalpus lignosellus), Spodoptera frugiperda e coleópteros como o cascudinho (Myochrous armatus), além das espécies desfolhadoras (Diabrotica speciosa / Cerotoma arcuata / Megascelis sp e Maecolaspis sp).

Lucia Vivan, doutora em Entomologia e pesquisadora da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT), orienta que para corós e percevejo castanho-da-raiz é importante ter o histórico das áreas, pois esses insetos se mantêm nelas e podem abranger áreas maiores no decorrer dos anos. O mesmo tem sido observado para o cascudinho, espécie com população e abrangência de ocorrência cada vez maior.

Para S. frugiperda, a especialista explica que a população presente na área está relacionada à cultura na entressafra, sendo que essa espécie apresenta grande número de plantas hospedeiras. No entanto, de forma geral, áreas com tigueras de milho, milheto e gramíneas podem ter populações altas e lagartas residentes. “Estas terão o hábito de lagarta-rosca, causando corte de plantas na emergência”, pontua.

Há ainda mais uma espécie que pode estar presente no início de desenvolvimento da cultura da soja, o percevejo barriga-verde (Diceraeus melacanthus). A praga está relacionada a tigueras de milho, plantas de cobertura e daninhas. A pesquisadora orienta que o tratamento de sementes pode ser eficaz no controle, mas o manejo de invasoras auxilia na redução de populações iniciais que serão potenciais problemas para o período reprodutivo da soja e para o milho segunda safra. “Nesse caso, trata-se de um manejo no sistema de produção”, acrescenta.

 

Controle no pré-plantio

Para a lagarta elasmo é importante acompanhar as condições climáticas, pois anos com distribuição irregular e períodos de veranico no momento de plantio da soja podem favorecer essa população. Áreas com plantio de sorgo na segunda safra também podem ter infestações superiores. Lucia explica que o tratamento de sementes deve ser utilizado, mas ainda assim, em períodos secos, é possível que ocorram ataques e perdas de plantas.

Segundo a entomologista, para S. frugiperda o monitoramento no pré-plantio é importante, pois lagartas maiores, a partir de segundo instar, não serão controladas pelo tratamento de sementes. “Nesse caso, deve-se fazer um controle pré-plantio com manejo na palhada, com dessecação antecipada ou uso de produtos recomendados para esse momento”, esclarece.

Já para o cascudinho, o tratamento de sementes minimiza os danos, no entanto, essa população apresenta fluxos de emergência de adultos, sendo necessário o monitoramento para decisão de aplicações foliares. “Pode-se dizer o mesmo para os coleópteros desfolhadores”, completa a pesquisadora.

 

Importante

As culturas hospedeiras podem proporcionar fontes de alimento e sobrevivência das pragas (ponte verde), resultando em maior número de gerações/ano. Portanto, de acordo com a especialista, o tratamento de sementes, o acompanhamento das previsões de precipitações e o histórico da área e populações presentes na palhada para a decisão de dessecação antecipada, são fundamentais para minimizar os problemas.

O clima tem grande influência e períodos com baixa precipitação merecem mais atenção, pois as plantas se desenvolvem menos e ficam mais suscetíveis ao ataque de pragas. Além disso, quando o clima está mais seco diminui a eficiência dos produtos em geral. Outro ponto importante, conforme orienta a especialista, é que podem ocorrer surtos de lagartas, uma vez que a precipitação é um regulador natural dessas populações.

 

É possível evitar danos ainda maiores?

Com o monitoramento das áreas, o produtor saberá qual ou quais pragas estão presentes e a dimensão do ataque, assim, poderá fazer a escolha das ferramentas. Para pragas de solo como corós e percevejo castanho-da-raiz, a entomologista explica que a única ferramenta é o tratamento de sementes ou a pulverização no sulco de plantio, “pois não há produtos aplicados na parte aérea que atinja as raízes, que é onde os insetos se alimentam e causam danos”.

O mesmo se aplica para lagarta elasmo, pois esta praga penetra na planta de soja à altura do colo, cavando uma galeria ascendente no interior do caule, alimentando-se do mesmo, e as pulverizações na parte aérea não são efetivas devido a esse hábito. “Por isso, é tão importante conhecer o histórico da área, pois essas medidas devem ser tomadas no momento do plantio”, acrescenta a doutora.

Com relação aos coleópteros desfolhadores, devem ser combinadas as ferramentas tratamento de sementes e pulverizações foliares. Isso porque ocorrem fluxos de emergência de adultos dessa espécie ao longo do tempo e o tratamento de sementes apresenta um período curto de atuação, porém, muito importante para o estabelecimento da cultura.

Por fim, para a lagarta S. frugiperda é necessário o monitoramento semanal a fim de identificar aumentos populacionais e tomar a decisão de controle em relação à população e danos em plantas. “As ferramentas para seu manejo são uso de feromônio para interrupção de acasalamento, uso de produtos biológicos e produtos químicos”, finaliza a pesquisadora da Fundação MT.

Fundação MT: Criada em 1993, a instituição tem um importante papel no desenvolvimento da agricultura, servindo de suporte ao meio agrícola na missão de prover informação técnica, imparcial e confiável que oriente a tomada de decisão do produtor. A sede está situada em Rondonópolis-MT, contando com três laboratórios e casas de vegetação, seis Centros de Aprendizagem e Difusão (CAD) distribuídos pelo Estado nos municípios de Sapezal, Sorriso, Nova Mutum, Itiquira, Primavera do Leste com ponto de apoio em Campo Verde e Serra da Petrovina, em Pedra Preta. Para mais informações acesse www.fundacaomt.com.br e baixe o aplicativo da instituição.