Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quarta Feira 24 de Julho de 2024

Menu

Agro news

Indústria aposta em modelo autossustentável na cadeia da suinocultura em MT

O fornecimento dos animais é proveniente de granjas próprias

Rural | 03 de Junho de 2024 as 07h 36min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

Modelo no país na produção autossustentável, uma indústria de Sorriso (420 km de Cuiabá) está investindo mais de meio bilhão de reais na aquisição de novas áreas para plantio de milho. Com isso, até 2026, a empresa será autossuficiente na produção do cereal para utilização na suinocultura, assim como já é na produção de soja.

Apesar do setor ter passado por vários desafios de custos nos últimos dois anos, a Nutribras Alimentos S/A tornou público o balanço de 2023 apontando um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 83,42 milhões, indicando margem de 14%.

Diariamente, a Nutribras abate 2,3 mil suínos. O fornecimento dos animais é proveniente de granjas próprias, criando o ciclo autossustentável, no qual os dejetos vão para os biodigestores, para produção de biogás. Dessa forma, tudo o que é subproduto de uma atividade se torna matéria-prima para a seguinte. Além disso, a empresa utiliza biofertilizante nas lavouras de milho e soja, grãos utilizados na fábrica de ração.

“Vamos nos tornar autossustentáveis na produção de milho e, por isso, estamos realizando esses investimentos. O milho é estratégico na redução dos custos da suinocultura, potencializando a competitividade dos produtos no mercado de proteína animal”, explicou o diretor-presidente da Nutribras Alimentos, Paulo Cezar Lucion.

Cerca de 90% da carne suína produzida pela indústria abastece o mercado interno e os outros 10% são exportados. O plano a médio e longo prazo é aumentar a participação fora do Brasil em 20%. Atualmente a empresa exporta para países da América do Sul, Ásia e do Leste Europeu.

“Para Ásia enviamos mais miúdos do suíno e nos países do Mercosul cortes. Geralmente importadores compram peças grandes e manipulam nos seus países. Mas, tem países que importam os cortes prontos para abastecer as gôndolas dos seus supermercados”, pontua a diretora da Nutribras, Julce Lucion.

No Brasil, a carne suína produzida pela Nutribras Alimentos só não chega nos estados dos maiores concorrentes: Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Este último é o maior produtor de suínos do Brasil e, curiosamente, a terra natal do casal Paulo Cezar Lucion e Julce. Eles chegaram em Mato Grosso em 2000

“Mudamos para Mato Grosso como uma maneira de reduzir o custo de produção e expandir. Lá já não tinha mais espaço para adquirir mais terras da forma como é em Mato Grosso, em grande extensão”, lembra Paulo Lucion.