Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Março de 2024

Menu

Plano Safra

Governo federal anuncia Plano Safra de R$ 364 bilhões para agricultura empresarial

Volume é 27% maior que o do ciclo que se encerra no próximo dia 30 e passa a vigorar em 1º de julho

Rural | 27 de Junho de 2023 as 11h 35min
Fonte: Nereida Vergara - Correio do Povo

Foto: Mapa / Divulgação / CP

Os médios e grandes produtores da agropecuária do Brasil vão contar com R$ 364,22 bilhões em recursos para financiamento de suas atividades no Plano Safra 2023/2024, que entra em vigor no próximo dia 1º de julho e se estende até 30 de junho do ano que vem. Os recursos foram anunciados na manhã desta terça-feira, em Brasília, em evento com a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e do ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro.

O volume anunciado é 27% maior que o disponibilizado no Plano Safra que se encerra, cuja dotação foi de 287,16 bilhões para os produtores enquadrados no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) e demais produtores.  Com isso, no ciclo que se inicia em julho a agricultura empresarial poderá contar com R$ 272,12 bilhões para custeio e comercialização e 92,1 bilhões para investimentos. Os valores para custeio e comercialização serão financiados com juros de 8% ao para os enquadrados no Pronamp e 12% para os demais produtores. Para os investimentos, as taxas de juros vão variar de acordo com o programa.

Neste ano, o Plano Safra pretende incentivar os sistemas de produção ambientalmente sustentáveis, premiando os produtores rurais que já estão no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e aqueles que já adotam práticas de sustentabilidade. O benefício se dará pela redução de 0,5 ponto percentual na taxa de juros de custeio. São consideradas práticas sustentáveis:produção orgânica ou agroecológica, bioinsumos, tratamento de dejetos na suinocultura, pó de rocha e calcário, energia renovável na avicultura, rebanho bovino rastreado e certificação de sustentabilidade. Os mecanismos de regulamentação para comprovação dos sistemas de produção serão divulgados nos próximos dias.

O governo também aumentou o limite de renda bruta anual para enquadramento dos produtores no Pronamp, de R$ 2,4 milhões para R$ 3 milhões, mudança que leva em consideração a elevação dos preços dos produtos agropecuários. Os juros para esta categoria de produtor no Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota), com recursos totais de R$ 11,86 bilhões, será de 10,5% ao ano para beneficiários do Pronamp. Para os grandes produtores a taxa permanece em 12,5%. O limite de financiamento para investimentos sobe de R$ 430 mil para R$ 600 mil por beneficiário do Pronamp por ano.

O Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), com aporte de R$ 3,80 bilhões, teve aumento de 81% nos recursos para construção de estruturas com capacidade de até 6 mil toneladas e de 61% quando a capacidade superar esse limite. Já o Programa de Financiamento à Agricultura Irrigada e ao Cultivo Protegido (Proirriga), com volume disponível de R$ 2,27 bilhões, teve aumento em 30%.

O Plano Safra destinado aos agricultores familiares séra lançado pelo governo nesta quarta-feira, dia 28.