Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sábado 20 de Julho de 2024

Menu

Agro

Com baixa colheita, 87% dos produtores de soja em MT saem no prejuízo

Pesquisa realizada pelo Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) em parceria com a Aprosoja-MT (Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso), e abrangeu 99 dos 142 municípios do estado

Rural | 08 de Abril de 2024 as 07h 36min
Fonte: Redação PP

Foto: Ilustrativa | Ministério da Agricultura e P

Poucos produtores de soja em Mato Grosso vão conseguir cobrir o custo total da lavoura, aponta uma pesquisa divulgada pelo Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária).

O levantamento foi realizado com 1.187 produtores, que são responsáveis por cultivar cerca de 2,5 milhões de hectares, ou 21% de toda área plantada no estado. Dos produtores que responderam a pesquisa, 80% já concluíram a colheita da soja.

A pesquisa, realizada em parceria com a Aprosoja-MT (Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso), abrangeu 99 dos 142 municípios do estado. Ela foi divulgada durante reunião com os associados, na sede da entidade, em Cuiabá, na sexta-feira (5).

Conforme o levantamento, 153 produtores (12,8% dos respondentes), tiveram produtividades acima do custo total, que ficou acima de 65 sacas. No entanto, 1.034 agricultores (87,2%) terão produtividades abaixo dos custos.

Já a produtividade média das áreas levantadas é de 51,82 sc/ha, 20,25% menor que na temporada anterior, quando foi registrada 64,97 sc/ha.

A região mais afetada pelas ondas de calor e a estiagem é a Oeste, que teve produtividade de 47,83 sc/ha, seguida pela Sul, com 51,75 sc/ha; Leste, com 52,70 sc/ha. Já a região Norte teve a maior produtividade, estimada em 53,49 sc/ha.

Entre os produtores que responderam ao levantamento, 9% revelaram ocorrência de tombamento das plantas e 16,5% registraram abandono de área, em razão da baixa produtividade.

 

Safra de milho

O Imea também questionou os agricultores sobre as expectativas para a segunda safra de milho. Em Mato Grosso, a localidade que mais reduziu área para o cereal é a Leste, que diminuiu 26,2%; seguida da Oeste, com redução de 15,33%; Sul, com 12,97% e a Norte, com 7,28%.

Já a redução média estadual deve ser de 8,44%, estimada em 6,94 milhões de hectares.

De acordo com o presidente da Aprosoja-MT, Lucas Costa Beber, na segunda quinzena deste mês de abril, os pesquisadores do Imea estarão à campo fazendo levantamento da safra de milho.

Ele ressalta ainda a importância da participação dos produtores no levantamento, que tem como objetivo refletir a realidade do campo e a gente transmitir esses dados para a sociedade e para os mercados.

 

Ajuda aos produtores

A Aprosoja-MT voltou a cobrar nesta semana mais medidas do Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária) para ajudar os produtores de Mato Grosso.

A entidade destacou em comunicado divulgado na quinta (4), que a medida anunciada pelo governo federal, de renegociar as parcelas de financiamentos que vencem em 2024, apesar de importante, não é suficiente para conter a crise.

A entidade pede que o Mapa dialogue com as empresas exportadoras sobre as cláusulas washouts.

A ‘cláusula washout’ se trata de obrigações entre as partes em caso de não cumprimento do contrato. Em um cenário onde o produtor não consiga entregar o produto, ele poderia ser obrigado a comprar o grão no mercado de acordo com a cotação do dia e entrega-lo para a empresa compradora, além do pagamento de multa.

De acordo com o presidente da associação Lucas Beber, essa é uma das grandes preocupações já que não houve sinalização do Mapa sobre conversar com as empresas exportadoras sobre as cláusulas washouts e que muitos produtores podem não ter produto para entregar.