Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Terça Feira 16 de Abril de 2024

Menu

Agro news

Colheita de safra alcança 21,5% da área prevista e preço da saca de soja fica abaixo de R$ 100 em MT

Mato Grosso vem sofrendo com a queda nos preços da soja no mercado

Rural | 30 de Janeiro de 2024 as 13h 50min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

A colheita da soja 2023/24 em MT chegou a 21,51% da área prevista, alta de 8,69% ante a semana anterior. O ritmo avançado nos trabalhos a campo segue pautado pelo encurtamento do ciclo da soja em função das condições climáticas registradas no início da safra.

Conforme o boletim do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), as perspectivas para a próxima semana é que o volume de precipitação em Mato Grosso fique entre 45 mm e 55 mm, o que pode ser uma preocupação para os talhões prontos para colher.

Entre as regiões, destaque para a oeste, a médio-norte e a norte, que estão mais adiantadas em relação às demais, com 34,04%, 31,27% e 22,02% das áreas finalizadas, respectivamente. No que tange ao rendimento médio das áreas colhidas na última semana, a produtividade no estado apresentou leve aumento em relação a semana passada, no entanto, ainda é muito abaixo do que o mesmo período da safra 22/23.

Aliado a isso, Mato Grosso vem sofrendo com a queda nos preços da soja no mercado. Conforme o Imea, a saca de 60 quilos vem sendo comercializado a menos de R$ 100, chegando a R$ 93,90 em Canarana. A média estadual é de R$ 97,03.

Dentre os motivos que tem feito os preços despencarem estão a menor demanda da China pelo grão e a recuperação da safra da Argentina, que revisou a colheita do país em 52,5 milhões de toneladas, tornando mais grãos disponíveis no mercado.

Em entrevista a Globo Rural, o estrategista sênior para o mercado de commodities do Citi, Aakash Doshi, avaliou que a tendência é de mais queda para os preços de grãos, que devem voltar aos níveis pré-pandemia de Covid-19 até o fim do ano. Para ele, os produtores brasileiros terão que lidar com um ambiente de maior concorrência no mercado global, especialmente com o retorno da Argentina ao mercado.