Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Sexta Feira 01 de Março de 2024

Menu

Agro news

Área de soja em Mato Grosso reduz em 100 mil hectares, conforme nova projeção do Imea

O clima quente e os longos períodos sem chuvas em vários municípios do Estado têm impactado no desenvolvimento das lavouras

Rural | 05 de Dezembro de 2023 as 12h 05min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

A área de soja prevista para a temporada 2023/2024 reduziu 0,74% em relação ao mês passado, ficando projetada em 12,13 milhões de hectares em Mato Grosso. Isso foi pautado pelo alto percentual de replantio apontado pelos informantes do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Ao todo 5,04% da área total prevista para o estado teve que ser replantada, algo em torno de 600 mil hectares.

O clima quente e os longos períodos sem chuvas em vários municípios do Estado têm impactado no desenvolvimento das lavouras e, em alguns talhões, já é observado o encurtamento do ciclo da soja, o que pode prejudicar no potencial produtivo da planta.

Com isso, o instituto reduziu em 3,07% a produtividade prevista para MT, em relação à estimativa passada, ficando projetada em 57,87 sacas de soja por hectare. Assim, com as modificações na área e na produtividade, a produção da safra 2023/2024 ficou projetada em 42,13 milhões de toneladas, queda de 3,78% ante o relatório anterior.

A intensa onda de calor que tem afetado diversas regiões em Mato Grosso pode gerar preocupações entre os agricultores, devido aos impactos potenciais na fertilidade do solo e na produção agrícola. Com a previsão de calor intenso persistindo, é crucial que os agricultores estejam atentos e adotem medidas para preservar o solo e garantir o sucesso das safras.

De acordo com Alvaro Fachim, coordenador do curso de Agronomia da Faculdade Anhanguera, a orientação é para que os agricultores estejam atentos e preparados para todas as circunstâncias, garantindo a aplicação correta de fertilizantes e a manutenção de níveis adequados de nutrientes no solo.

“Diante desse contexto, a adoção de tecnologias e práticas sustentáveis, como a agricultura de precisão e o manejo integrado de nutrientes, pode ser fundamental para preservar a fertilidade do solo e garantir a produtividade das lavouras em face do calor intenso”, destaca o docente.