Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quarta Feira 17 de Julho de 2024

Menu

Sinop

Regularização de terrenos doados para empresas trava na inércia da prefeitura

Juiz dá prazo de 48h para o município fazer a sua parte na elaboração do TAC

Política | 04 de Junho de 2024 as 21h 23min
Fonte: Jamerson Miléski

Em outubro de 2023, uma audiência foi realizada com vários empresários de Sinop que se instalaram no LIC-Norte (Loteamento Industrial e Comercial Norte). Diante de membros do judiciário, do Ministério Público e do Executivo municipal, os proprietários de empresas instaladas em terrenos doados pela prefeitura buscavam uma forma de regularizar a situação, depois que a transmissão dos imóveis foi julgada como ilegal. Naquele dia, foi conferido um prazo de 6 meses para a prefeitura fornecer todo o aparato técnico sobre os imóveis. Essa documentação nortearia a formação de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), lavrado pelo Ministério Público. Esse prazo encerrou no dia 25 de abril e até o momento a prefeitura não fez sua parte.

Diante da situação, o juiz da 6ª vara cível da comarca de Sinop, Mirko Giannotte expediu uma decisão, nesta terça-feira (4), afim de fazer o processo andar. O magistrado deu um prazo de 48 horas para a prefeitura de Sinop informar, “minuciosamente”, as providências que tomou para viabilizar a autocomposição com os proprietários do LIC-Norte. “Autocomposição” é como se chama o dispositivo para resolução de conflitos entre as partes.

Mirko lembra, em sua decisão, que além de ter sido o autor do erro legal, o município de Sinop tem a obrigação moral e a responsabilidade econômica de reparar a situação. “Os proprietários em questão receberam seus respectivos imóveis por meio de doação com encargos do Município de Sinop, conforme Lei Municipal nº 1.193/2009. Em razão de inconstitucionalidade formal que atingiu a referida legislação, as áreas deverão retornar ao status quo ante. Em outras palavras, o município de Sinop que, originariamente, pautando-se em lei inconstitucional, promoveu a doação com encargos, está no dever legal (e até mesmo moral) de ser a ‘chave’ para a regularização do LIC-Norte. Caso contrário a economia local e a empregabilidade estarão frontalmente afetados”, redigiu o magistrado.

O LIC Norte foi implantado pela gestão municipal em novembro de 2009. O projeto disponibilizava uma área pública onde seriam abertas 8 quadras, totalizando 196 lotes de mil metros quadrados, a serem disponibilizados para empresas com interesse em se instalar no município. Para ter acesso, era preciso passar por um processo junto à secretaria de Indústria e Comércio da prefeitura e cumprir dois requisitos principais: construir, no mínimo, 200 metros quadrados e gerar ao menos 10 empregos. As empresas “contempladas” pagariam apenas a contribuição de melhoria, referente as obras de pavimentação e infraestrutura. Na época o valor ficou na casa dos R$ 30 mil. No total, 101 empresas receberam lotes no LIC Norte.

No ano de 2013, quando grande parte das empresas instaladas já estavam operando, o Ministério Público moveu uma ação, questionando a legalidade do LIC-Norte na forma como foi implantado. A legislação que ancorou as doações de terrenos foi declarada como ilegal.

A formalização de um TAC entre empresas, o município e o Ministério Público foi a alternativa apontada para resolver o imbróglio jurídico, selar de vez a questão e permitir que as empresas continuem atuando.

 

BENEFÍCIOS E OBRIGAÇÕES

A vontade política por traz da criação do LIC Norte era de gerar um programa de incentivo para expansão da indústria e do comércio, estimulando a economia de Sinop. Além do terreno apenas com o custo das obras, as empresas do LIC Norte ainda foram contempladas com isenção de IPTU, por até 6 anos. No primeiro ano de operação, a isenção era de 100%, chegando a 20% no 6º ano.

Como contrapartida a empresa deveria construir seguindo as normas vigentes, instalar sua unidade, de modo que ocupasse pelo menos 20% do terreno e, no máximo 70% - além de gerar o mínimo de 10 postos de trabalho diretos.

Esse “pacto” – até a lei ser considerada inconstitucional – era eterno. Se a empresa encerrasse suas atividades, cedesse o imóvel, mudasse sua atividade sem justificativa plausível ou não gerar os empregos, o terreno voltaria para o patrimônio do município. As exigências compõem a chamada “Doação com Encargos”.

Atualmente, no LIC Norte operam importantes indústrias e distribuidoras do município, como fábricas de barcos, tintas, vidros temperados, alimentos, rações, estruturas metálicas, concreto usinado, artefatos de cimentos e outros.