Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Quarta Feira 29 de Junho de 2022

Menu

Política

‘‘Política é momento, e o momento é de quem produz’’

A fala é de Alcides Szulczewski Filho, o Zize, empresário e pré-candidato a deputado estadual

Eleições 2022 | 03 de Junho de 2022 as 17h 29min
Fonte: Redação

Foto: GC Notícias

Prevendo – e torcendo – por uma renovação de 50% na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Alcides Szulczewski Filho, popularmente conhecido como Zize, está construindo sua candidatura a deputado estadual, no pleito de 2022. O argumento é simples: o setor produtivo é quem abastece o Estado, então as pessoas do setor produtivo devem ajudar a definir onde o dinheiro do Estado será aplicado.

Zize é empresário do setor madeireiro e de transportes, no município de Juína. Nesta sexta-feira (3), ele esteve na redação do GC Notícias. Sua passagem por Sinop faz parte de uma jornada, por vários municípios do Estado, em uma peregrinação para arrebanhar uma base que justifique sua pré-candidatura. “Eu acredito que um deputado estadual tem que representar o Estado como um todo, não ser um político apenas de uma região. Então estou andando pelo Mato Grosso, para conhecer o Estado, as necessidades das pessoas, do setor produtivo, dos municípios”, declarou Zize.

Filiado ao PSD, Zize já teve seu projeto de candidatura endossado por lideranças da sigla, como o deputado federal Neri Geller e senador Carlos Fávero. A princípio, o empresário deve ser o único nome do partido na região de Juína concorrendo uma vaga na Assembleia.

Embora Juína tenha a fama de ser o reduto do PT em Mato Grosso, a base política de Zize está vinculada ao setor produtivo, a organização sindical do setor madeireiro que elegeu o atual prefeito, ao agronegócio e ao Bolsonarismo. Mas o fato de defender a reeleição do atual presidente da República, segundo Zize, não deve ser um diferencial de campanha. “Muitos se elegeram no passado se apresentando como Bolsonaristas. O eleitor de Mato Grosso é Bolsonarista, mas quem vota em Bolsonaro não escolhe pelo partido e sim pela pessoa do presidente. É claro que vai ter candidato tentando pegar carona na aprovação do presidente, mas o eleitor vai votar em quem tem serviço prestado”, defendeu o pré-candidato.

Para Zize, a Assembleia Legislativa terá uma renovação de pelo menos 50%. Na sua avaliação, a casa de leis está “viciada”, “acomodada”, com deputados operando como se fosse uma repartição do poder executivo, com o único propósito de arrastar migalhas de recursos para seus redutos eleitorais. “É preciso mudar a atuação do poder legislativo e para isso precisa mudar as peças. Mato Grosso precisa de deputados que façam uma política de construção”, enfatizou.

O empresário e pré-candidato acredita que seu papel como deputado será melhorar as leis, retirando os entraves ao setor produtivo e gerando segurança jurídica para quem trabalha. “Essa é a função do deputado. É preciso uma casa de leis que seja capaz de resolver os grandes assuntos, os grandes gargalos, alguém que peite os problemas e que busque as normas legais para resolver”, argumentou.

Toda a pré-campanha que Zize está construído é calçada na proposta de eleger um deputado que seja capaz de melhorar o poder produtivo de Mato Grosso a partir do aprimoramento das leis. Na conversa com o GC Notícias ele citou os imbróglios fundiários, um problema evidente de Mato Grosso, em que o Estado custa a resolver. O mesmo vale para a regularização urbana. Sobre a estão ambiental, Zize disse que é preciso reverter os mal feitos da legislação estadual, que imputa regras mais restritivas ao setor produtivo e ao direto à propriedade de aquelas estabelecidas pela Constituição Federal. “Eu vou defender que se faça cumprir a Constituição”, acrescentou.

Para Zize, é evidente que Mato Grosso é muito rico e desenvolvido, mas ele acredita que com uma casa de leis mais ativa e atenta às demandas do setor produtivo seja possível avançar mais.