Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 26 de Fevereiro de 2024

Menu

Pesquisa

Eleitores escolhem vereadores que devem continuar na Câmara de Sinop

Para 20% dos entrevistados, nenhum vereador da atual legislatura deve continuar no próximo mandato

Política | 29 de Novembro de 2023 as 06h 30min
Fonte: Jamerson Miléski

Foto: Assessoria

A maioria dos eleitores de Sinop, 67,46%, ainda não sabe em quem vai votar para vereador na eleição do próximo ano. Mas grande parte tem uma opinião sobre quais dos atuais vereadores devem continuar na Câmara - e quais devem sair.

É o que mostra a pesquisa realizada pelo Instituto MKT, em parceria com o site GC Notícias, a rádio Jovem Pan e a REALTV/Record, canal 8.1. Uma das perguntas feitas aos eleitores foi: “Entre os atuais vereadores de Sinop, quem você gostaria que permanecesse na Câmara?”.

A resposta baliza a percepção que os eleitores tem dos membros do legislativo municipal. Para 20% dos entrevistados, Nenhum dos 15 vereadores deve continuar no próximo mandato. Na eleição passada, em 2020, apenas 4 vereadores alcançaram a reeleição.

Um dos vereadores reeleitos no último pleito foi Adenilson Rocha (PSDB). A pesquisa mostra que ele conserva a aprovação junto ao eleitorado. Para 12,68% dos entrevistados, Adenilson deve continuar na Câmara, liderando o ranking. O GC Notícias questionou o vereador sobre o resultado. “É com muita alegria que vejo o reconhecimento do nosso trabalho por parte da comunidade de Sinop. Desde que iniciei minha jornada na vida pública, meu compromisso foi sempre dar o melhor de mim em prol da nossa cidade”, declarou. Adenilson lembrou que o foco do seu trabalho tem sido por serviços públicos de qualidade, especialmente na área da saúde. “Agradeço a confiança depositada e reitero meu compromisso em continuar servindo a população de Sinop com dedicação e empenho”, completou.

Na sequência, 11,27% dos entrevistados declararam que “Não sabem responder”. O segundo vereador com melhor avaliação também é um reeleito. Ademir Bortolli (REP), que está no seu 4º mandato recebeu 8,87% dos votos para permanecer na Câmara.

Entre as novidades bem colocadas no ranking da aprovação estão Célio Garcia (DEM) e Celsinho do Sopão (PL), ambos vereadores de primeiro mandato, que acumularam 7% na pesquisa.

A única mulher da legislatura e também única vereadora do PT, Graciele Santos, teve 6,34%.

Na parte mais baixa do ranking está Juventino Silva (PSB), vereador de primeiro mandato que no passado foi diretor do extinto SAAES (Serviço de Água e Esgoto de Sinop), tendo conduzido a concessão do serviço para Águas de Sinop. Ele somou 0,28% dos votos para permanecer como vereador – ou seja, 2 pessoas votaram nele.

A pesquisa da MKT foi realizada entre os dias 9 e 20 de novembro. Foram entrevistados, pessoalmente, 710 eleitores de Sinop, em 23 diferentes macrorregiões da cidade. A margem de erro da pesquisa é de 3,6% para mais ou para menos e o intervalo de confiança é de 95%.

O GC Notícias já divulgou a avaliação do Governo Estadual e Federal, medidas pela pesquisa. Amanhã, quinta-feira (30), será noticiado a avaliação da gestão municipal e intenção de voto para as eleições de 2024.

Perfil de quem respondeu

A amostra de eleitores entrevistados pelo Instituto MKT acompanha o perfil da população de Sinop identificada pelo Censo do IBGE.

Quanto à formação, 42,11% dos entrevistados tem ensino médio, 20,7% ensino fundamental e 17,46% ensino superior. O restante tem ensino superior incompleto, sem escolarização ou analfabeto.

Quanto à religião, 50% são católicos, 29,3% evangélicos, 17,46% acreditam em Deus, mas não possuem uma religião. Os menos de 3% restantes exercitam outras religiões ou são ateus.

Já com relação à renda, 41,8% ganham entre 1 e 3 salários mínimos por mês. 32,5% recebem de 3 a 5 salários mínimos e 15,2% de 5 a 10 salários mínimos. Os 6,5% recebem mais de 10 salários e 3% menos de 1 salário mínimo.