Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Quarta Feira 17 de Abril de 2024

Menu

Política MT

Cinco deputados de MT assinam pedido do impeachment de Lula

Os representativos legislativos na Câmara Federal; José Medeiros, Amália Barros, Abilio Brunini, Coronel Fernanda e Coronel Assis manifestaram nas suas redes sociais a assinatura do pedido realizado pela deputada federal Carla Zambelli (PL-SP)

Política | 20 de Fevereiro de 2024 as 16h 16min
Fonte: Redação PP

Foto: Divulgação

Dos 8 deputados federais de Mato Grosso, 5 assinaram o pedido de impeachment contra o presidente Lula, após ele ter comparado o Holocausto com a guerra entre Israel em Gaza e ser considerado “persona non grata” por Israel.

deputados federais

Nas redes sociais os deputados que assinaram o pedido manifestaram aos seus apoiadores. (Foto: Reprodução)

José Medeiros (PL), Amália Barros (PL), Abilio Brunini (PL), Coronel Fernanda (PL) e Coronel Assis (União) manifestaram nas suas redes sociais a assinatura do pedido realizado pela deputada federal Carla Zambelli (PL-SP). Os deputados Gisela Simona (União), Juarez Costa (MDB) e Emanuelzinho (MDB) não se manifestaram sobre o pedido.

Até o fechamento dessa reportagem 113 deputados federais já haviam assinado o documento.

 

Relembre a fala do presidente Lula

Sobre o conflito entre as regiões, em entrevista coletiva durante viagem oficial à Etiópia no fim de semana, Lula classificou as mortes de civis em Gaza como genocídio, criticou países desenvolvidos por reduzirem ou cortarem a ajuda humanitária na região e disse:“O que está acontecendo na Faixa de Gaza com o povo palestino não existiu em nenhum momento histórico. Aliás, existiu quando Hitler resolveu matar os judeus”. Lula, presidente do Brasil

Em meio à crise diplomática, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Mauro Vieira, convocou o embaixador israelense no país, Daniel Zonshine, para uma reunião no Palácio Itamaraty. Além disso, mandou o embaixador brasileiro em Israel, Frederico Meyer, voltar de Tel Aviv para o Brasil.

Conforme comunicado do Itamaraty, as medidas foram tomadas “diante da gravidade das declarações desta segunda-feira do governo de Israel”.

 

O que dizem os outros países

Nesta terça-feira (20), os Estados Unidos vetaram pela terceira vez uma proposta de resolução do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). A proposta redigido pela Argélia exigia um cessar-fogo humanitário imediato.

Treze membros do conselho votaram a favor do texto. O Reino Unido se absteve.

Vele lembrar que na segunda-feira (19), a agência Reuters chegou a comunicar que os EUA (Estados Unidos) pela primeira vez iria propor um texto com um pedido de cessar-fogo.

 

Entenda o conflito

Israel e a Palestina disputam território há décadas. Conforme um dos registros mais antigos, de 1947, a Nações Unidas havia proposto a criação do estado judeu e outro árabe, na Palestina, mas sob o comando britânico.

Assim, Israel foi reconhecido como país, no entanto, a disputa por território foi acirrada e, mesmo com várias tentativas de acordos de paz, nenhum teve sucesso.