Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quarta Feira 24 de Julho de 2024

Menu

Favorecimento

Após polêmica em leilão do arroz, ministro anuncia saída de secretário de Política Agrícola

Segundo Carlos Fávaro, Neri Geller pediu demissão após ter seu nome envolvido em caso de suposto favorecimento de ex-assessor na concorrência

Política | 11 de Junho de 2024 as 14h 25min
Fonte: Redação G1-MT

Foto: Wesley Amaral/Câmara dos Deputados

Após polêmica evolvendo leilão para compra de arroz importado, que acabou anulado, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, anunciou nesta terça-feira (11) a saída de secretário de Política Agrícola, Neri Geller.

"Hoje pela manhã, o secretário Neri Geller me comunicou, fez ponderação, quando filho dele estabeleceu sociedade com esta corretora do Mato Grosso, ele não era secretário de Política Agrícola", mencionou Fávaro.

O ministro se referia ao fato de do filho de Geller, Marcelo Piccini Geller, ter aberto uma empresa com o ex-assessor dele Robson Luiz de Almeida França, que foi um dos negociadores do leilão.

A informação, que circulou na imprensa, causou polêmica e levantou a possibilidade de um suposto favorecimento da corretora do ex-assessor na concorrência, como apurou o Grupo Rural.

"Não há fato que desabone ou que gere qualquer tipo de suspeita, mas, de fato, gerou transtorno, e, por isso, [Geller] colocou o cargo à disposição", afirmou Fávaro.

Ao se questionado pelos jornalistas se Geller pediu demissão ou foi demitido, Fávaro explicou: "Ele pediu demissão e eu aceitei."

Ainda segundo reportagem, a saída de Geller já era algo esperado, para evitar que o caso escalasse e colocasse em risco a cadeira do ministro Fávaro.

 

Quem é Geller

Ex-ministro da Agricultura e ex-deputado federal, Geller foi um dos nomes ligados ao agronegócio que apoiou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na eleição.

O setor apoiou de forma majoritária o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), então candidato à reeleição.

O apoio a Lula e o bom trânsito no setor colocaram Geller entre os cotados para ser ministro.

Geller acabou nomeado em dezembro secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura.

Ele ganhou após reverter decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que impedia de ocupar cargos públicos em razão da condenação, que cassou seu mandato de deputado federal.