Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 24 de Setembro de 2021

Polícia

Tribunal do Júri pode definir hoje, (30), o futuro da maquiadora Cleia

Viúva Negra?

3° dia de Julgamento | 30 de Julho de 2021 as 08h 57min
Fonte: Anderson de Oliveira

GC notícias

Foi retomado hoje, (30), às 8h30, com os debates finais entre acusação e defesa, o julgamento da maquiadora Cleia Rosa dos Santos Bueno, acusada de mandar matar o marido, Jandirlei Alves Bueno, de 39 anos, em 2016, e o amante Adriano Gino, de 29 anos em dezembro de 2017.

A acusação e defesa terão 2h30 para sustentar as suas razões. Após, poderá a acusação, utilizar-se da réplica por mais 2h, e se necessário e autorizado, tem a opção da tréplica para os defensores.

Oito das treze testemunhas já foram ouvidas. Grazielle Tainara e Adilio, o casal suspeito de participar da morte de Adriano Gino, que para a defesa, são testemunhas principais, não foi localizado.

Os três acusados também tiveram espaço para falar, mas preferiram ficar em silêncio.

 O julgamento está acontecendo de forma remota, com a presença apenas dos sete jurados, defesa e acusação. Os trabalhos são conduzidos pela Juiza Rosangela Zacarkin.

RELEMBRE O CASO:

A investigação começou quando o marido de Cleia, Jandirlei Alves Bueno, de 39 anos, foi morto em outubro de 2016. Segundo relatos da acusada, eles estavam na residência quando assaltantes entraram na casa e atingiram Jandirlei com golpes de faca. A vítima ficou internada por dois meses, mas não resistiu e morreu.

As investigações era de que um possível latrocínio teria ocorrido. Porém no final de 2017, o homem com quem Cleia estava se relacionando após ter ficado ‘viúva’, também foi morto. A partir daí a polícia começou a suspeitar da participação de Cleia nas mortes.

Adriano Gino, de 29 anos foi encontrado morto depois de dias desaparecido. Ele estava enterrado junto com sua moto, dentro de uma vala, em uma região de mata, em Sinop. A principal suspeita é de que ela teria contratado os irmãos José Graciliano e Adriano Santos para matar Adriano.

E Adriano Gino também teria participado da morte de Jandirlei.