Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Domingo 03 de Março de 2024

Menu

Latrocínio

Suspeito da chacina de mãe e filhas em Sorriso matou jornalista enforcado

Vítima teria tentado se relacionar com suspeito

Polícia | 30 de Novembro de 2023 as 20h 04min
Fonte: Metrópoles

Foto: Portal Sorriso

Preso na última segunda-feira (27/11) suspeito de uma chacina que vitimou mãe e três filhas, em Sorriso (MT), Gilberto Rodrigues dos Anjos, de 32 anos, também era considerado foragido por um crime cometido em Mineiros, no sudoeste goiano. O homem é acusado de latrocínio contra um jornalista, que teria tentado se relacionar amorosamente com ele.

Conforme a denúncia oferecida pelo Ministério Público de Goiás à Justiça, o crime aconteceu em 22 de dezembro de 2013. Após autor e vítima se conheceram e conversarem em um bar na cidade de Mineiros, o jornalista Osni Mendes ofereceu carona ao acusado para irem até a outro bar.

Os dois entraram no carro e, durante o trajeto, o jornalista alegou que queria fazer xixi. Após para o veículo, ele convidou Gilberto para descer também. Já do lado de fora do automóvel, Osni tentou beijar o homem, que reagiu com empurrões e socos no rosto da vítima.

A partir disso, eles entraram em luta corporal, até que o jornalista foi nocauteado. Osni acabou enforcado com a própria camisa até a morte. Na sequência, Gilberto roubou o carro da vítima.

Confessou chacina e assassinato de jornalista

De acordo com o inquérito policial, após matar Osni, Gilberto fugiu no carro do jornalista e se escondeu na chácara de um amigo. No entanto, ele passou a usar o veículo na cidade e acabou encontrado pela polícia cinco dias após o crime, em um bar de Mineiros.

Ao ser abordado pelos policiais e questionado sobre a origem do carro, Gilberto não reagiu e imediatamente confessou o crime. Ele foi preso em flagrante e levado para a delegacia.

Como o jornalista foi morto com extrema violência e Gilberto fugiu da cena do crime, o delegado da época solicitou à Justiça que a prisão do homicida fosse convertida em preventiva e, com isso, o assassino ficou preso preventivamente no presídio da cidade.

Foragido

Gilberto ficou preso por mais de 160 dias. Porém, conseguiu na Justiça um relaxamento de prisão em junho de 2014, em razão do excesso de prazo na conclusão do inquérito policial.

O caso foi encaminhado para juízo em 6 de janeiro de 2014, mas o Ministério Público decidiu encerrar prematuramente a diligência policial, tendo solicitado a realização de algumas ações investigativas que deveriam ser concluídas em um prazo de 30 dias.

Os documentos relacionados ao caso foram enviados de volta à delegacia em 27 de janeiro de 2014. O inquérito, contudo, só foi devolvido ao tribunal em 21 de maio de 2014, cerca de quatro meses desde a sua remessa inicial. Durante todo esse período, a prisão preventiva do acusado continuou em vigor.

Gilberto voltou à liberdade e, quando intimado novamente para prestar esclarecimentos, não foi mais encontrado. A Justiça decidiu expedir novamente mandado de prisão preventiva contra ele, em 24 de janeiro de 2018, mas a ordem nunca chegou a ser cumprida.

Com a prisão dele no Mato Grosso, na última segunda-feira (27/11), por causa da chacina, a Justiça de Goiás atualizou o processo da morte de Osni para réu preso.