Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 04 de Julho de 2022

Menu

Polícia

Sesp realiza mais de 60 operações integradas de combate à criminalidade em 2021

Ações foram voltadas principalmente para o combate às facções criminosas, roubos e furtos de veículos, prevenção e elucidação de homicídios, entre outros

Resultados positivos | 21 de Dezembro de 2021 as 16h 33min
Fonte: Wellyngton Souza - Sesp-MT

Foto: Sesp-MT

A Secretaria de Estado de Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp-MT), por meio da Secretaria Adjunta de Integração Operacional (Saiop), realizou este ano 64 operações integradas de combate à criminalidade no estado com as forças de segurança das 15 Regiões Integradas de Segurança Pública (Risps). A expectativa é que esse número possa ser ampliado em 2022.

As ações foram voltadas principalmente no combate às facções criminosas, roubos e furtos de veículos em rodovias estaduais e federais, prevenção e elucidação de homicídios, bem como atuação em região urbana, rural e de fronteira com outros países.

O secretário adjunto de Integração Operacional, coronel PM Juliano Chiroli, diz que é essencial a integração das Forças de Segurança para o combate da criminalidade. "Esse é o grande diferencial da Segurança Pública do Estado de Mato Grosso que obteve resultados excelentes neste ano com o controle da criminalidade, com a redução dos índices dos principais delitos sociais. É a solução que Mato Grosso adotou e vem trazendo esses resultados positivos com as operações individualizadas, de cada instituição, em momentos oportunos com as operações integradas", afirma.

"Nossa missão é prevenir e manter a ordem pública no estado por meio de ações integradas, estratégicas e de planejamento do combate à criminalidade. As Risps facilitam os trabalhos, pois há um contato direto entre delegados e comandos regionais e isso amplia o acesso à Sesp e também as operações, tanto de prevenção quanto de repressão ao crime", ressalta o coordenador de Planejamento e Monitoramento das Regiões Integradas (Coplam), tenente-coronel PM Marcus Vinicius Akira Sakata.

De acordo com o tenente-coronel, integram as Risps, a Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Corpo de Bombeiros Militar e a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). Além disso, conta ainda com a participação das prefeituras municipais, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Polícia Penal, Departamento Nacional de Trânsito (Detran) e outros órgãos.

Além de Cuiabá e Várzea Grande, outras sedes das 15 Risps são os municípios de Sinop, Rondonópolis, Barra do Garças, Cáceres, Tangará da Serra, Juína, Alta Floresta, Vila Rica, Primavera do Leste, Pontes e Lacerda, Água Boa, Nova Mutum e Guarantã do Norte.

Akira reforça que em algumas ocasiões as forças de segurança são acionadas pelos próprios municípios. Já em outras, o acionamento ocorre a partir de levantamento de dados quando identificado o aumento no índice da criminalidade na região.

"Aqui na secretaria contamos com seis operações que são nossas, que nasceram aqui: a Ordem Pública, Operação Vitae, Operação Salutem, Operação Progressão, a Zona Rural e a Fronteira Integrada, que surgiram da necessidade em cada região e são operações que já ocorreram por mais de uma vez nos municípios”, apontou.

Durante as 64 operações, nos dados de produtividade constam a apreensão de mais de duas toneladas de entorpecentes e 315 armas apreendidas. Além disso, foram cumpridos 213 mandados de busca e 341 mandados de prisão.

“Contamos ainda com um orçamento de R$ 1,4 milhões para auxiliar nossos agentes na região em que for preciso. Foi um ano bastante satisfatório, pois conseguimos cumprir a nossa meta e com orçamento disponibilizado pelo Governo do Estado para equiparação, diárias e armamento de nossos agentes. Estamos com uma força tarefa já em planejamento para o próximo ano e a expectativa é de aumentar a nossa atuação no combate à criminalidade no estado", finalizou.