Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 14 de Julho de 2024

Menu

Exonerado

Saiba quem é o profissional de TI preso por desenvolver plataforma para comércio de drogas na Dark Web em MT

Investigado era servidor da Secretaria de Assistência Social do estado e foi exonerado. Investigações começaram através da Polícia Civil do Distrito Federal

Polícia | 29 de Maio de 2024 as 07h 34min
Fonte: Redação G1-MT

Foto: Reprodução

O servidor da Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Setasc), Edimilson Argemiro Galvan Filho, preso nesta terça-feira (28), por desenvolver e administrar uma plataforma na Dark Web para comércio de drogas, ocupava o cargo de superintendente de tecnologia da informação, na pasta.

De acordo com o Portal Transparência, o funcionário era comissionado e, mesmo com os descontos salariais, o salário bruto do investigado ultrapassava o valor de R$ 10 mil.

Em nota, a Setasc informou que exonerou o servidor e que deu total apoio ao cumprimento do mandado que apreendeu o computador utilizado pelo servidor na secretaria, "reforçando que os atos praticados pelo servidor não tem qualquer relação com a Pasta".

 

Entenda o caso

Edimilson foi preso nesta manhã durante a Operação Kill Switch, da Polícia Civil, suspeito de desenvolver plataforma para comercializar droga em uma parte oculta da internet.

De acordo com as investigações da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), foram cumpridas duas ordens judiciais de busca e apreensão e um mandado de prisão temporária, em Cuiabá.

A polícia conseguiu descobrir e identificar o profissional. Segundo as equipes, as evidências colhidas sugerem o envolvimento de outras pessoas no esquema, indicando que as investigações deverão continuar.

O profissional de TI é investigado por tráfico de drogas e associação para o tráfico, podendo ser condenado à pena máxima de até 25 anos de prisão.

A plataforma de comércio ilegal de drogas foi retirada do ar.