Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 28 de Setembro de 2021

Polícia

Pai pega 24 anos de prisão por matar filho estrangulado em Sinop

Davi dos Santos Vasconcelos Pereira foi morto pelo pai enquanto brincava em casa

Homicídio | 10 de Junho de 2021 as 08h 20min
Fonte: Folha Max

Divulgação

Jonas Pereira Teixeira foi julgado pelo Tribunal do Júri e condenado a 24 anos e 22 dias de reclusão em Sinop (a 500km de Cuiabá), por homicídio duplamente qualificado - emprego de meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima - do filho de cinco anos. A sessão de julgamento ocorreu na terça-feira (8), quando o Conselho de Sentença, por maioria, acolheu a tese do Ministério Público e reconheceu a materialidade e a autoria do crime. O condenado, que está recolhido na Penitenciária Dr. Osvaldo Florentino Leite Ferreira (Ferrugem), cumprirá a pena inicialmente em regime fechado. A decisão é passível de recurso.    

Conforme a denúncia da 1ª Promotoria de Justiça Criminal da comarca, Jonas Pereira Teixeira matou o filho Davi dos Santos Vasconcelos Pereira dentro de casa, no bairro Vila Mariana, em fevereiro de 2018. Na ocasião, Jonas fazia uso de entorpecente do tipo pasta-base de cocaína, enquanto a vítima brincava sozinha. Em dado momento, o pai passou a espancar e estrangular a criança com um rodo, causando-lhe múltiplas lesões internas e externas.  

“O crime em questão fora cometido por meio cruel consistente no espancamento e asfixia por estrangulamento, consoante narrado no laudo pericial, que causou intenso e desnecessário sofrimento à vítima. Tem-se, ainda, consubstanciado o recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vítima, eis que Davi se tratava de uma criança de apenas cinco anos de idade e fora sorrateiramente surpreendida e espancada até a morte pelo próprio genitor, que se valeu de um rodo para tanto”, narra a denúncia.

Ao ser interrogado pelas autoridades policial e judicial, Jonas Teixeira confessou a prática delitiva.