Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Março de 2024

Menu

Operação Terra envenenada

Operação da PF confisca R$ 14 mi e prende uma pessoa em MT

Ação investiga a importação e comercialização ilegais de agrotóxicos vindos do Uruguai e Paraguai

Polícia | 23 de Março de 2023 as 11h 44min
Fonte: Redação Midia News

Foto: Montagem/MidiaNews

A Polícia Federal deflagrou a terceira fase da Operação Terra Envenenada, nesta quinta-feira (23), com o objetivo de descapitalizar os principais articuladores de organização criminosa transnacional que atuava na prática da importação e comercialização ilegal de agrotóxicos provenientes do Paraguai e Uruguai.

Ao todo foram sequestrados R$ 14 milhões em bens e valores.

Um homem  - sem identificação revelada - chegou a ser preso em Sorriso durante o cumprimento de um mandado de busca. Na residência dele, foi encontrada uma espingarda, e ele não possuía licença para posse. 

A prisão ocorreu durante cumprimento de mandados de busca e apreensão

Nesta etapa das investigações, a Justiça Federal de Cuiabá determinou o sequestro de três fazendas, localizadas em Novo Progresso (PA), de seis imóveis urbanos situados nos municípios de Sinop, Sorriso, Altamira (PA), Guaíra (PR) e Toledo (PR), assim como de cinco máquinas agrícolas, quatro caminhões e quatro camionetes.

Além do sequestro de bens e valores, houve o cumprimento de dois mandados de busca e apreensão nos municípios de Sorriso e Sinop, sendo que itens arrecadados serão totalmente contabilizados no prosseguimento das apurações.

Nas primeiras fases da Operação Terra Envenenada, a Polícia Federal identificou uma extensa e complexa rede criminosa transnacional, com comando central hierarquizado.

A organização atuava de maneira estruturada visando à importação ilegal e posterior revenda de agrotóxicos oriundos do Uruguai e do Paraguai.  

Tais investigações apontaram queo grupo criminoso contava com engenhoso esquema de operações ilegais de câmbio para dissimular a origem dos lucros ilicitamente auferidos, reinserindo-os no sistema econômico nacional mediante a compra de imóveis, terrenos, fazendas, lanchas, veículos e gado.