Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Segunda Feira 15 de Julho de 2024

Menu

Crime premeditado

Mulher que atacou jovem com soda cáustica no Paraná disse à polícia que só queria 'dar um susto' na vítima

Suspeita de 22 anos está presa preventivamente; ela disse à polícia que cometeu crime por ciúmes do atual companheiro, que é ex-namorado da vítima

Polícia | 28 de Maio de 2024 as 07h 52min
Fonte: Redação G1-MT

Foto: PM-PR

A suspeita presa por atacar com soda cáustica a jovem Isabelly Aparecida Ferreira Moro, de 23 anos, disse à polícia que só queria "dar um susto" na vítima. É o que afirma a delegada Carolinne dos Santos.

Segundo a delegada, o crime foi premeditado. Isabelly foi atingida em uma rua de Jacarezinho, um município do Norte Pioneiro do Paraná, quando ia para a academia na última quarta-feira (22). Ela está internada desde o dia do ataque.

De acordo com a delegada Carolinne, a presa afirmou ter jogado o líquido por ciúmes do atual companheiro, que é ex-namorado da vítima, e disse ainda que planejou o ataque. O homem já estava preso em decorrência de outro crime e ainda não foi ouvido na investigação.

"Foi premeditado. Ela afirmou saber o horário. Afirmou também que a moça [Isabelly] já a viu várias vezes em frente ao presídio. Primeiro ela disse que mudou o horário da visita para não encontrar Isabelly. Disse que comprou a soda uns 15 dias atrás", disse.

A suspeita, de 22 anos, foi presa após pedir ajuda em frente a um hotel da cidade, na sexta-feira (24). A reportagem tenta identificar a defesa dela. Inicialmente a polícia acreditava que o ataque tinha sido com ácido, mas depois a própria suspeita disse ter usado uma mistura de água e soda cáustica.

A soda cáustica, também conhecida como hidróxido de sódio, é uma substância altamente corrosiva e tóxica utilizada em produtos de limpeza doméstica. Se ingerida, pode causar danos severos ao sistema digestivo, levando a complicações graves e, em casos extremos, até a morte.

No interrogatório, segundo a delegada, a mulher também explicou que, após o crime, jogou a roupa usada no ataque em um matagal.

"Ela não manifesta arrependimento. Nos mostrou o mercado onde comprou a soda, localizamos a calça, blusa, peruca, luvas e óculos", disse.

Conforme a delegada, o crime foi elucidado a partir de provas coletas na investigação, do depoimento da suspeita, além de imagens de câmera de segurança que registraram os passos da mulher.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná afirmou que a mulher será indiciada por tentativa de homicídio qualificado, por motivo fútil, emboscada, meio cruel e feminicídio.

A suspeita foi transferida para cadeia pública de Santo Antônio da Platina.

 

Vítima fica em estado grave

No dia do crime a vítima chegou ao hospital em estado grave e chegou a ser entubada. Nesta segunda-feira (27), Hospital Universitário (HU) de Londrina, onde Isabelly está internada, informou que a jovem está se recuperando sem a ajuda do oxigênio.

A RPC apurou junto ao hospital que Isabelly permanece na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), mas está consciente e respira sem ajuda de aparelhos. Regiane Ferreira, mãe da jovem, afirmou que o líquido não atingiu os olhos da jovem e não prejudicou fala dela, que está conseguindo se comunicar.

 

Como a polícia chegou até a suspeita

O boletim de ocorrência da PM, mostra que a suspeita foi encontrada por volta das 5h de sexta-feira, no pátio de um hotel de Jacarezinho.

De acordo com a investigação, a jovem passou a ser considerada suspeita a partir de pessoas ouvidas enquanto ela ainda era procurada.

A família da vítima, por exemplo, citou que Isabelly tinha tido brigas com o ex-namorado, que está preso por roubo agravado. Em seguida, os delegados confirmaram a informação de que a atual companheira do homem não tinha dormido em casa no dia do ataque e também não tinha buscado o filho na creche.

Paralelamente, a PM teve acesso a um vídeo da suspeita de cometer o ataque. No vídeo, é possível ver que a pessoa usa peruca loira e roupas escuras.

Segundo os delegados, a polícia encontrou uma peruca castanha na casa da suspeita. A avó da mulher, que mora no mesmo local, disse ter visto a neta aparecer em casa também com uma peruca loira, antes do ataque.

A corporação disse que a avó viu o vídeo divulgado pela polícia no qual a suspeita aparece e reconheceu a peruca.

Diante dos indícios, a polícia pediu a prisão preventiva dela na quinta-feira (23).