Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Julho de 2022

Menu

Polícia

Mato-grossense é morta asfixiada pelo ex-marido um dia após ser estuprada

O suspeito do crime trabalha como pedreiro e segue foragido

Investigação | 18 de Janeiro de 2022 as 15h 16min
Fonte: Olhar Direto

Foto: Rogério Florentino Pereira/montagem

A mato-grossense Luzia Pereira Mateus, de 41 anos, foi morta asfixiada pelo ex-marido na cidade de Doverlândia, no Estado de Goiás. A mulher, que é natural de Campinápolis foi encontrada dentro do banheiro pela própria filha.

De acordo com registro da ocorrência, Luzia teria se alojado na residência da filha depois de ter sido agredida e estuprada pelo ex-marido, entre sexta e sábado (15 e 16).

Depois de visualizar nas redes sociais que o suspeito estaria viajando para o Estado do Pará, Luzia teria se sentido segura para retornar a sua casa, pois queria procurar a Polícia Civil de Caiapônia para representar criminalmente contra o ex-marido. 

Luzia então deixou o imóvel da filha por volta das 10h. Ela pretendia passar em casa, tomar um banho e buscar alguns documentos pessoais, para depois embarcar sentido a Caiapônia, por volta de 11h. No entanto, os planos não saíram como planejado.  Nesse intervalo de tempo, o ex-marido acabou matando Luzia com uma peça de roupa.  

Passado tempo suficiente para a mãe chegar no destino, a filha começou a ligar para Luzia. Porém, ninguém atendia as ligações. Preocupada, a filha se deslocou até o endereço onde a mãe morava e ao chegar na casa, ouviu barulho do chuveiro ligado e se deparou com a mãe nua e morta dentro do banheiro.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local, mas apenas constatou o óbito da vítima, que teria sido causada por asfixia. A polícia encontrou uma peça de roupa que pode ter sido usada pelo suspeito para cometer o feminicídio. Em análise preliminar, constatou-se sinais de que a mulher lutou para não ser morta pelo criminoso. 

O suspeito do crime trabalha como pedreiro e segue foragido. A Polícia Civil investiga o caso.