Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 04 de Julho de 2022

Menu

Polícia

Homem que arrancou coração da tia é considerado inimputável e não irá a júri popular

Laudo concluiu que Lumar Costa da Silva sofre de transtorno bipolar e que não podia entender que estava cometendo um crime

Crime bárbaro | 30 de Dezembro de 2021 as 09h 20min
Fonte: Portal Sorriso

Foto: Portal Sorriso

O juiz Anderson Candiotto, da Segunda Vara Criminal de Sorriso (a 420 km de Cuiabá), homologou o laudo pericial que atestou que Lumar Costa da Silva possui Transtorno Afetivo Bipolar Tipo I, e com isso se convenceu da inimputabilidade do acusado. Com isso, ele não poderá ser penalmente responsabilizado por seus atos. Lumar matou e arrancou o coração da própria tia, Maria Zélia da Silva Cosmos, 55 anos, no dia 02 de julho de 2019.

O magistrado da Segunda Vara Criminal de Sorriso instaurou procedimento para verificação da sanidade mental de Lumar Costa da Silva. Um primeiro laudo atestou a insanidade mental do suspeito no momento do crime, mas a realização de outro foi determinada pela Justiça.

“O exame de insanidade mental, a ser realizado dentro do respectivo incidente, é medida que se impõe sempre que houver dúvida acerca da integridade mental do acusado. Destina-se, pois, a apurar eventual inimputabilidade ou semi-imputabilidade do réu e configura, por assim dizer, verdadeira questão prejudicial que condiciona o julgamento final da causa, na medida em que poderá ter reflexo na definição da responsabilidade criminal do acusado, isentando-o ou não de pena”, justificou o magistrado.

O juiz verificou que o segundo laudo pericial atestou que Lumar possui Transtorno Afetivo Bipolar Tipo I e não podia, ao tempo da ação, entender o caráter ilícito da ação, “bem como, de se determinar de acordo com este entendimento”. Ele então homologou o laudo, para que surta os efeitos jurídicos previstos em lei.

“De fato, da análise dos autos, em cotejo com os elementos indiciários de prova produzidos nos autos da ação penal em apenso, tenho que o laudo pericial deve ser homologado, haja vista que estou convencido da inimputabilidade do acusado ao tempo da ação”, disse o magistrado.

O caso

Maria Zélia da Silva Cosmos, 55 anos, foi morta e teve seu coração arrancado na noite do dia 2 de julho de 2019, no bairro Vila Bela, em Sorriso (420 quilômetros de Cuiabá). O acusado de cometer o crime é seu próprio sobrinho, Lumar Costa da Silva, 28 anos. Além disto, o suspeito ainda tentou sequestrar uma menina de sete anos, mas acabou impedido por vizinhos.

Segundo as informações da Polícia Militar, o jovem foi até a casa de Patrícia Cosmos, filha de Maria e disse que havia matado a vítima, arrancado o seu coração e o colocado dentro de uma sacola plástica. A vítima teve o órgão arrancado enquanto ainda respirava.

Depois, o acusado ainda disse para a mulher que era apaixonado pela filha de Patrícia, de apenas sete anos e que iria levá-la com ele. Um vizinho percebeu a movimentação e impediu que a menina fosse sequestrada.

Momentos depois, o suspeito invadiu a subestação da Energisa, que fica próximo ao Corpo de Bombeiros e jogou o veículo contra os motores. Ele acabou preso pela Polícia Militar.