Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Terça Feira 05 de Dezembro de 2023

Menu

Combate ao tráfico

Grupo criminoso envolvido em tráfico de drogas é alvo de operação da Polícia em Sinop

O líder do grupo criminoso e responsável por negociar os entorpecentes com fornecedores de outras cidades foi preso em uma operação da Polícia Civil

Polícia | 14 de Março de 2023 as 10h 33min
Fonte: Redação BomDia-MT

Foto: Assessoria

A Polícia Civil cumpre, durante a “Operação Escama”, 11 mandados de prisão e busca e apreensão, na manhã desta terça-feira (14), contra uma associação criminosa envolvida com tráfico de drogas em Sinop. De acordo com a polícia, são cinco ordens de prisão e seis de busca e apreensão, em Sinop, Sorriso e Mirassol D’Oeste.

Ainda segundo a polícia, o chefe da facção, responsável por negociar a droga aos fornecedores de outras cidades, foi preso em uma operação em novembro de 2021 e, com a prisão dele, as investigação começaram.

A investigação estabeleceu a ligação entre o grupo, liderado pelo suspeito preso anteriormente. Ele negociava no varejo, as drogas fornecidas por, entre outros, um traficante de Mirassol d’Oeste, e depois repassava os pedidos a outro traficante, responsável por fazer a transação no atacado.

Negociações

As Investigações da Polícia Civil indicaram que o suspeito apontado como chefe da associação de tráfico, usava uma farmácia onde trabalhava para comércio ilegal de medicamentos controlados e falsificação de receitas médicas

Segundo a polícia, em uma das negociações com o atacadista, ele disse precisar de 120 quilos de cocaína para enviar ao Pará e “reclamava” que, às vezes, não conseguia “suprir a demanda” dos clientes traficantes.

As investigações ainda encontraram um traficante do município de Mirassol d’Oeste, que era responsável por fornecer drogas para uma associação criminosa de Sorriso e, além do tráfico, ele usava outras pessoas para ocultar o dinheiro recebido com a atividade ilegal.

A polícia também identificou que o investigado passou a fazer a receptação de joias oriundas do tráfico de drogas. A intenção do grupo criminoso era abandonar o comércio de maconha e se dedicar à venda de pasta base de cocaína e de cocaína.

Nome da operação

“Escama” é uma referência a uma das gírias usadas para se referir à cocaína de alta qualidade, pela forma como a droga se esfarela ao ser manuseada, semelhante às escamas de peixe.