Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 03 de Julho de 2022

Menu

Polícia

Defesa de menor que matou amiga vai ao STF contra internação

Advogado busca reverter decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou liberdade à jovem

Internada | 18 de Outubro de 2021 as 16h 21min
Fonte: Midia News

Foto: Mídia News/Reprodução

A defesa da adolescente que atirou e matou a amiga, Isabele Ramos, em Cuiabá, entrou com um novo pedido de liberdade no Supremo Tribunal Federal (STF). O habeas corpus foi distribuído ao ministro Edson Fachin nesta segunda-feira (18) e já está concluso para decisão.

A menor está internada há nove meses no Complexo Pomeri. Ela foi condenada a 3 anos de internação por ato infracional análogo ao crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar.

O crime ocorreu em julho do ano passado, no Condomínio Alphaville, na Capital. A defesa da garota, patrocinada pelo advogado Arthur Osti, busca reverter a decisão do ministro Antônio Saldanha Palheiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que em setembro, negou libertar à menor.

Naquela ação, o advogado pediu a suspeição do desembargador Juvenal Pereira da Silva, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, por suspeita de parcialidade. O ministro não acatou os pedidos por entender que ainda será preciso a manifestação do TJMT.

O caso

Isabele Ramos, que tinha 13 anos, morreu com um tiro no rosto dentro de um banheiro na casa da amiga. A tragédia aconteceu quando o pai da atiradora, o empresário Marcelo Cestari, pediu que a filha guardasse uma arma que foi trazida pelo genro, de 17 anos, no quarto principal no andar de cima.

No caminho, porém, a garota desviou e seguiu em direção ao banheiro de seu quarto, ainda carregando a arma. Lá, ela encontrou Isabele, que acabou sendo atingida pelo disparo da arma.

A Politec apontou que a adolescente estava com a arma apontada para o rosto da vítima, entre 20 a 30 centímetros de distância, e a 1,44 m de altura.

Os pais da atiradora respondem um processo separado pelo caso. Eles foram denunciados pelo Ministério Público Estadual por homicídio culposo, entrega de arma de fogo a pessoa menor, fraude processual e corrupção de menores.

O ex-namorado dela foi condenado a prestar seis meses de serviços comunitários por ato infracional análogo ao porte ilegal de arma de fogo.