Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sábado 02 de Julho de 2022

Menu

Polícia

Contadores de empresas fantasmas são alvos de operação do Gaeco

Operação Ghost | 14 de Dezembro de 2021 as 16h 32min
Fonte: Assessoria MP-MT

O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) deflagrou nesta terça-feira (14), em Mato Grosso, a operação “Ghost”, nos municípios de Sorriso, Lucas do Rio Verde, Tapurah, Vila Rica, Goiânia/GO e São Miguel do Oeste/SC. A operação é realizada com apoio do Gaeco de São Miguel do Oeste (SC) e de Goiânia (GO). Ao todo, foram expedidos 12 mandados de busca e apreensão.

De acordo com a unidade regional do Gaeco de Sorriso, a investigação teve início com as informações contidas na quebra de sigilo bancário e fiscal de alvos da operação “Camuflagem II”, quando foi desarticulada organização criminosa que praticava, entre outros crimes, o roubo de defensivos agrícolas.

Na ocasião, o Gaeco constatou que diversas empresas emissoras de notas fiscais, do ramo agrícola e de transportes, não existiam de fato. Além disso, identificou-se que muitos dos “proprietários” dessas empresas não possuíam perfis financeiros condizentes com o capital social da pessoa jurídica, eram falecidos e/ou possuíam longo histórico criminal.

Após confrontações dos dados e documentos levantados, as investigações indicaram contabilistas específicos que eram responsáveis pela maior parte das empresas fantasmas.

A operação foi nomeada de Ghost pelo motivo de o objeto apurado ser a criação e movimentação de empresas “fantasmas”, criadas para operar atividades ilícitas.

 

Camuflagem II

Os nove réus denunciados pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso em razão da Operação Camuflagem II, conduzida pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) de Sorriso (395 km de Cuiabá), foram condenados pela Justiça. As penas aplicadas somam mais de 250 anos de prisão.