Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Sexta Feira 01 de Março de 2024

Menu

Crime em 2021

Autores de homicídio de jogador de futebol em Sinop são condenados a até 23 anos

Willian Sant’Ana, que atuou como zagueiro do Sinop, foi assassinado no dia 16 de setembro de 2021

Polícia | 08 de Novembro de 2023 as 06h 00min
Fonte: Mídia News

Foto: Reprodução

Cinco pessoas que tiveram o envolvimento identificado no homicídio que vitimou o jogador de futebol Willian Sant’Ana, ocorrido em setembro de 2021, foram condenados a sentenças que variam de 17 a 23 anos de reclusão em decisão de júri popular realizado nesta segunda-feira (06), em Sinop.

O crime ocorreu no dia 16 de setembro de 2021, quando a vítima teve sua residência invadida por cinco criminosos armados e foi levada por eles.

No dia seguinte, o corpo de Willian foi encontrado pela Polícia Militar nas proximidades da BR -63 na região conhecida como Rio 15, em uma área de mata de difícil acesso.

Willian, que atuou como zagueiro do Sinop, foi executado com dois disparos de arma de fogo, após ter a morte decretada por uma facção criminosa, supostamente por ser apontado como autor de um estupro, fato que não foi comprovado na investigação.

As investigações da Divisão de Homicídios de Sinop, coordenadas pelo delegado Bráulio Cunha Junqueira, chegaram à identidade dos seis envolvidos no crime (cinco executores e o mandante), que foram indiciados no inquérito policial pelo crime de homicídio duplamente qualificado e organização criminosa.

Apontados como executores do crime, Diego Lopes do Santos, o “DG”, foi condenado a pena de 22 anos de reclusão; Fernando Bruno Mendes Ferreira, conhecido como “Menor”, a pena de 17 anos de reclusão; Lucas Amaral de Morais, o “LK”, a pena de 20 anos e um mês; e Nezivan Santos Almeida, conhecido como “Príncipe”, a pena de 23 anos e 03 meses de reclusão.
O mandante, Leonardo dos Santos Pires, o “Sapateiro Maresia, foi condenado a 40 anos e quatro meses de reclusão. O sexto indiciado, Everson Rodrigo da Silva, também envolvido na execução da vítima, morreu dentro do presídio durante o andamento do processo.