Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sábado 18 de Setembro de 2021

Notícias dos Poderes

Foi corrigir e derrapou

| 17 de Agosto de 2021 as 11h 22min

Mais da metade da sessão da Câmara de vereadores de Sinop desta segunda-feira (16), foi tomada pelo debate em torno da fala proferida pela professora universitária Lélica Elies Pereira de Lacerda, durante a audiência pública da última sexta-feira (13). Ao criticar o modelo econômico que norteia as relações mercantis no planeta, Lélica se referiu a Sinop como um exemplo tácito do sistema que classificou como exploratório.

A crítica não foi bem recepcionada pela Câmara. Doze, dos 13 vereadores presentes, condenaram as falas da professora. Um argumento frequente nos discursos dos vereadores foi o fato da professora não conhecer a história dessa cidade, dos seus pioneiros ou da luta em transformar a precariedade da selva em um exemplo de desenvolvimento e progresso. Para justificar essa falta de conhecimento, vários vereadores citaram um recorte da fala da professora, em que ela se refere à Sinop como o “Sindicato Imobiliário do Noroeste do Paraná” – errando o significado da sigla da empresa que batizou a cidade.

Um desses vereadores foi Juventino Silva (PSB). Ao desdobrar o acróstico a fim de corrigir a fala da professora, Juventino se referiu a Sinop como “Sociedade Incorporadora do Noroeste do Paraná”. O vereador foi corrigir e acabou errando também.

Sinop é a sigla de Sociedade Imobiliária do Noroeste do Paraná. A professora, de Cuiabá, que não conhece a cidade, trocou “Sociedade” por “Sindicato”. O vereador, que conhece Sinop, trocou “Imobiliária” por “Incorporadora”. No fim, cada um dos dois errou uma palavra entre as quatro que compõem a sigla.

Uma ironia que não sabemos se classificamos como relativismo cultural ou relativismo político.