Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 03 de Julho de 2022

Menu

Notícias dos Poderes

Falando para as paredes

| 20 de Maio de 2022 as 16h 50min

O vereador de Sinop, Dilmair Callegaro, ficou falando com as paredes. Na audiência pública realizada na tarde desta sexta-feira (20), para discutir sua proposta de mudar a cor oficial dos prédios públicos, apenas uma meia dúzia de assessores esteve presente. Foi um fiasco. Um assunto universal, no qual qualquer sinopense com mais de 3 anos de idade poderia opinar, ninguém além dos “cupinchas” se apresentou para palpitar. Sabe porquê? Convicção.

O presidente da Câmara, Élbio Volksweis, tem convicção de que não precisa gastar dinheiro com “mídia”. Por vezes o presidente declarou não ver necessidade em fazer publicidade com os recursos da casa de leis. Se um presidente da Câmara não dá importância para o trabalho da imprensa – por vezes regulando até informações – porque os veículos de comunicação deveriam retribuir?

Dilmair pediu a audiência no dia 9 de maio, mas a Câmara só tornou a convocação pública ontem, quinta-feira. A “mega” divulgação se restringiu a um texto no site da Câmara e um post no Facebook e no Instagram – que nem explica o assunto da audiência. Apenas um site, da Meridional FM, replicou o texto da assessoria da Câmara, ainda assim o fez 3 horas antes da audiência.

O resultado foi um fracasso. Ninguém, nem a imprensa apareceu. Só tinham assessores da Câmara e um repórter do GC Notícias. Na transmissão on line o fiasco foi maior ainda.

Agora Élbio tem duas opções: avaliar a sua relação com os veículos de comunicação e mudar a sua opinião, reconhecendo que a publicidade ajuda a Câmara a falar com o povo; ou então sustentar com teimosia suas convicções até o final do ano, quando encerra seu mandato de presidente.

Caso opte pela segunda opção, será preciso rever o gordo quadro de profissionais da comunicação que a atual legislatura empregou. Afinal, é bobagem gastar com “mídia”.