Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Julho de 2022

Menu

Geral

Veado é capturado pelo Corpo de Bombeiros

Animal macho adulto foi levado para tratamento devido aos machucados

Resgate | 18 de Fevereiro de 2022 as 21h 08min
Fonte: Portal Sorriso

Foto: Portal Sorriso

Um veado-mateiro adulto foi capturado pelo Corpo de Bombeiros, nesta manhã, na rua Marechal Rondon, no centro de Sorriso. O animal, por ter se debatido durante tentativa de captura por populares, sofreu machucados, mas já foi atendido por profissionais voluntários.

Conforme o coordenador do Núcleo Integrado de Fiscalização de Sorriso (NIF), Reinaldo Nunes, as ocorrências de captura de animais silvestres são comuns e só varia espécie. “Diariamente quase nos deparamos com situação semelhantes, de animais que entram pelos corredores ecológicos das áreas de preservação permanente existentes na cidade e acabam entrando nas áreas urbanizadas e intervimos”.

Nunes explica que o veado deve ter entrado na cidade pelo Parque Ecológico. “Populares tentaram fazer a captura e não conseguiram, ele ficou estressado, se debateu e ficou bastante machucado. Solicitamos que ele fosse levado ao pet para atendimento, já que esse animal poderia se debater e o estresse levar a óbito. Por isso, ele precisa ser tratado o mais rapidamente possível”.

Após alta médica, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) será comunicada para que seja feita a definição da área de soltura. A zootecnista Luciana Derre é uma das profissionais voluntárias de Sorriso que atua no tratamento de animais silvestres.

“Esse tratamento é feito de forma diferenciada. Fazemos os cuidados clínicos sob a supervisão da doutora Lílian e é importante destacar que esses cuidados são voluntários. Precisamos de apoio da sociedade através de doações para construirmos recintos, gaiolas e ter esse suporte maior porque até então só trabalhamos com a nossa parte voluntária com o subsídio do tratamento da clínica”, disse Luciana.