Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 28 de Setembro de 2021

Geral

Valor dos aluguéis foi um dos principais fatores para a alta da inflação em Sinop, diz CDL

Os dados da pesquisa mensal da CDL/Centro de Informações Sócioeconômicas - Cise da Unemat

Pesquisa | 24 de Junho de 2021 as 10h 54min
Fonte: Redação com assessoria

Foto: Reprodução/TV TEM

A inflação de maio em Sinop apresentou uma aceleração, comparado a abril. O aumento nos preços dos aluguéis foi um dos principais fatores para a alta da inflação.

“Tivemos um aumento de 2% neste mês no valor dos aluguéis, com isso chegamos a 30% no acumulado dos 12 meses. Isso está assustando na hora de renegociar o valor do aluguel e é o principal vilão da inflação em Sinop”, comenta o economista professor Doutor, Feliciano Azuaga.

A inflação está acelerada em Sinop e todo país. Os dados da pesquisa mensal da CDL/Centro de Informações Sócioeconômicas - Cise da Unemat, apontam que o Índice de Preços do Consumidor – IPC no mês de maio, teve uma taxa no município de 0,82%.

Com esse resultado, a inflação acumulada nos últimos 12 meses alcançou 8,42%. Comparativamente à economia brasileira, a taxa de inflação em Sinop no mês de maio seguiu a tendência de alta observada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA, que foi divulgado pelo IBGE. O IPCA alcanço 0,83% em relação ao mês anterior.

O IPCA nacional acumulado em 2021 está em 3,22%. Já nos últimos 12 meses foi de 8,06%, um pouco abaixo da inflação de Sinop para o mesmo período.

O resultado nacional aponta uma inflação acima da meta definida pelo Banco Central. 

Na questão de logística, o transporte também é responsável pela elevação da inflação. O preço dos combustíveis e da energia refletem muito. Por mais que o valor dos combustíveis deu uma estabilizada, com a queda do dólar, o preço do gás de cozinha subiu. Com isso, toda uma cadeia por trás dele, acaba refletindo em aumento de preços.

“Estamos diante de uma crise hídrica e isso deve fazer com que o preço da energia vá subir neste período de estiagem, inflacionando a vida das pessoas”, explica Feliciano.