Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Sexta Feira 01 de Julho de 2022

Menu

Geral

Três empresas pedem permissão para fazer trilhos até Sinop

Ministério publicou 3 projetos de interesse da iniciativa privada enquadrados no Programa Pró Trilhos

Pró Trilhos | 04 de Janeiro de 2022 as 12h 05min
Fonte: Jamerson Miléski

Foto: Reprodução

Pelo menos 3 empresas estão interessadas em alongar a malha ferroviária de Lucas do Rio Verde até Sinop. No Diário Oficial de União desta terça-feira (4), o Ministério da Infraestrutura, através de sua secretaria executiva, publicou 3 avisos de autorização referentes ao trecho. O procedimento, chamado de “Conhecimento do Requerimento”, é uma das etapas para o enquadramento de um projeto ferroviário no programa Pró Trilhos, do Governo Federal – cujo objetivo é expandir a malha ferroviária nacional a partir de investimentos promovidos pela iniciativa privada.

Os 3 projetos “Conhecidos” pelo Ministério da Infraestrutura são válidos por 99 anos. O primeiro é da Rumo S.A, que já opera a Ferronorte, que conecta Rondonópolis ao porto de Santos. Além disso a Rumo S.A possui um contrato com o Governo do Estado para expansão da malha até Cuiabá e Nova Mutum. Ao governo federal, a Rumo S.A pede permissão para construir uma linha férrea entre Santa Rita do Trivelato (entre Nova Mutum e Lucas do Rio Verde), até a cidade de Sinop.

O segundo projeto é da Zion Real Estate, com sede em Sorriso (MT), para implantação de uma linha férrea entre Lucas do Rio Verde e Sinop. O terceiro projeto, com trecho idêntico, é da Garin Infraestrutura e Assessoria, com sede em São Paulo capital.

Esses 3 projetos se enquadram no programa Pró-Trilhos, criado e balizado pela Medida Provisória 1.065, de agosto de 2021. O “Conhecimento do Requerimento”, é a segunda fase do processo. A partir de agora o Ministério da Infraestrutura precisa atestar a Compatibilidade Locacional, garantir a compatibilidade com a Política Nacional de Transportes e por fim assinar o contrato de adesão e autorização do requerimento.