Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Quarta Feira 27 de Outubro de 2021

Geral

Sinopense fica em 1º lugar em concurso com mais de 300 mil candidatos

Além da aprovação na PRF, Elton, que é formado em administração pela Unemat, também já foi aprovado em outros dois concursos: da Caixa Econômica Federal, em 2014, e do Detran, em 2017

Concurso público da PRF | 27 de Junho de 2021 as 14h 16min
Fonte: Informações Mídia News

Há cerca de dois anos, Elton Carlos dos Santos, de 31 anos, começou uma intensa rotina de mais de cinco horas de estudo para se preparar para o concurso da Polícia Rodoviária Federal, realizado em 9 de maio. Dos mais de 300 mil inscritos - uma concorrência de quase 203 pessoas por vaga -, o sinopense alcançou a pontuação mais alta e ficou em primeiro lugar. 

Além da aprovação na PRF, Elton, que é formado em administração pela Unemat, também já foi aprovado em outros dois concursos: da Caixa Econômica Federal, em 2014, e do Detran, em 2017, onde é lotado atualmente em Sorriso. 

Ele ainda foi classificado em um concurso da Politec, mas não chegou a ser convocado.

Ao MidiaNews, o concurseiro conta que, em 2019, chegou a participar da prova da PRF, mas fez 50 pontos enquanto a nota de corte em Mato Grosso naquele ano foi de 85. 

"Quando edital saiu, estudei só dois meses e não fui muito bem. Fiquei pensando que, se tivesse estudado mais tempo, teria ido melhor. Naquela época estudei só a parte de trânsito e deixei o resto do conteúdo de lado porque não daria tempo de estudar". 

Não me vejo fazendo outra coisa. Comecei a acompanhar os vídeos da corporação, os treinamentos e vídeos motivacionais, fui só me apaixonando cada vez mais

Depois de fazer a primeira prova, Elton tirou duas semanas "de folga" dos estudos para descansar e se preparar para uma nova rotina de estudos. Ele sabia que precisaria de muito foco e determinação para conciliar a rotina de estudar, trabalhar e ainda ter tempo para a família. 

Elton é casado e tem um filho de três anos, que desde pequeno acompanha a trajetória de concurseiro do pai. 

"Comecei devagar, estudando duas a três horas por dia. Quando começaram os comentários de que o concurso ia mesmo sair, intensifiquei para cinco horas por dia. Acordava mais cedo, às 5h, porque entro no trabalho às 7h. Saía às 17h e voltava a estudar mais umas três horas". 

Como parte do plano de estudo, nos domingos era dia do servidor público ficar recluso no quarto simulando o dia da prova da PRF. 

Por conta disso, o apoio e companheirismo da esposa Aparecida Maelbe Alexandre foi essencial. 

"Sou um cara que sempre faço as coisas em casa, mas domingo, por exemplo, que era dia de fazer simulado, queria simular exatamente a prova, ficava trancado no quarto, nessas horas era ela quem ficava com nosso filho. Porque se ele entrasse ia querer brincar, querer atenção, mas sempre procurei não me distanciar muito". 

Ele brinca que, após o resultado, o filho parece ter ficado orgulhoso, na medida do possível para uma criança de três anos, e repete pela casa que o "papai vai ser policial". 

Primeiro lugar 

Quando viu o resultado, Elton lembra de ter ficado sem reação. Apesar de estar confiante que sua rotina de estudos traria bons resultados, não havia passado pela cabeça dele que seria o melhor candidato da primeira fase. 

O servidor público gabaritou a parte de física e direito, por exemplo. No total, fez 101 pontos, enquanto a nota de corte nacional foi de 73. 

"Foi diferente, porque nunca tinha passado em primeiro lugar. No concurso do Detran fiquei em sétimo. Passar em um concurso tão concorrido como o da PRF, fiquei sem acreditar, fiquei meio bobo na hora. Me preparei muito, mas jamais imaginaria, ainda mais pelo nível que foi a prova. Tive que digerir a informação". 

Dias antes da prova da PRF, a Caixa Econômica Federal entrou em contato com Elton para que ele assumisse a vaga de um concurso no qual havia passado em 2014. 

Naquele momento, ele precisou tomar uma difícil decisão. Mas, confiante da dedicação que teve durante os dois anos de estudo, decidiu seguir os planos e o sonho de fazer parte da PRF. 

No final de semana passado, a PRF fez as provas de aptidão física para os aprovados na prova discursiva. 

O uso de máscara durante a corrida de 2,4 km em 12 minutos, abdominais e barras foi obrigatória por conta da pandemia da Covid-19. 

Na barra e no shuttle run, Elton conseguiu nota máxima, já na corrida, abdominal e salto, ele conseguiu nota média. 

Neste domingo (27), ele assará pelo teste psicotécnico e, em seguida, caso aprovado participará de um curso de formação de três meses em Florianópolis (SC). 

O plano dele é conseguir trabalhar no posto da PRF em Sorriso, mas voltar a morar com a família em Sinop. 

"Não me vejo fazendo outra coisa. Comecei a acompanhar os vídeos da corporação, os treinamentos e vídeos motivacionais, fui só me apaixonando cada vez mais. Se passar por todas as fazes, vou me 'aposentar' dos estudos". 

Comecei devagar, estudando duas a três horas por dia. Quando começaram os comentários de que o concurso ia mesmo sair, intensifiquei para cinco horas por dia