Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 27 de Setembro de 2021

Geral

Sindicato Rural de Sinop envia dois ônibus para protesto em Brasília

Veículos parcialmente lotados transportam 84 pessoas para ato pró-Bolsonaro

Dia 15 de maio | 13 de Maio de 2021 as 13h 06min
Fonte: Jamerson Miléski

Ao meio dia desta quinta-feira (13), partiram de Sinop 2 ônibus fretados pelo Sindicato Rural do município, rumo a Brasília, transportando as pessoas que engrossarão a manifestação em favor do presidente Jair Bolsonaro. Com camisetas, faixas e cartazes patrocinadas pelo sindicato, 84 pessoas partiram do Norte de Mato Grosso para marcha em Brasília.

A mobilização foi inferior ao esperado. Segundo o presidente do Sindicato Rural de Sinop, Ilson Redivo, a expectativa era enviar 10 ônibus - acabou ficando em um ônibus e meio. Outros produtores rurais e suas famílias devem ir à marcha com suas camionetes. O sindicato fala em pelo menos 80 veículos.

Redivo acompanhou o embarque dos manifestantes. Em cada um dos ônibus uma oração foi feita antes da partida. O presidente do Sindicato também reforçou a intenção de que o protesto seja pacífico e direcionado às pautas. Entre os pedidos incomuns foi para que os manifestantes preservassem as faixas e cartazes para atos futuros.

O Movimento Brasil Verde e Amarelo, como foi chamado, a mobilização tem como mote declarar apoio ao presidente da República Jair Bolsonaro e pressionar a mais alta instância do poder judiciário o STF (Supremo Tribunal Federal). O ato está marcado para o dia 15 de maio.

Em seu discurso nessa quinta-feira, Redivo disse apenas que o protesto pede a aplicação de um sistema de votação impresso auditável, e a liberdade de ir e vir, que segundo ele "está sendo cerceada com essa pandemia" e "isso é coisa de ditadura, não de democracia".

Os adesivos afixados na parte externa do ônibus e as placas contam o resto da história. A frase "Eu autorizo, presidente", está nas peças que vão ao protesto, declarando adesão as ilações de um golpe proferidas pelo presidente.

Veja abaixo um trecho da fala do presidente do Sindicato em um dos ônibus que partiu de Sinop.

 

O QUE O MOVIMENTO PEDE?

Segue abaixo, na íntegra, a nota oficial do movimento:

“O Movimento Brasil Verde e Amarelo, o Agro em defesa do Brasil e as centenas de Sindicatos Rurais e Associações de Classe que o integram, representando os mais sinceros e justos sentimento das bases produtoras do País, vem à público, neste grave momento por que passa a República, manifestar:

1 – O seu total APOIO ao Presidente Jair Bolsonaro e as políticas de Governo que tem conduzido, notadamente as reformas, com a finalidade de restabelecer a ordem e o progresso da Nação;

2 – O REPÚDIO veemente as decisões tomadas por Ministros do Supremo Tribunal Federal, monocraticamente e pelas turmas, que anulam os esforços da operação lava-jato, inocentam notórios transgressores da lei e prendem pessoas por crimes de opinião, o que causa insegurança e instabilidade jurídica aos que querem trabalhar e produzir nesse País;

 

3 – O seu apelo por uma grande MOBILIZAÇÃO nacional, em caráter permanente, a fim de que todos os produtores rurais do Brasil permaneçam em estado de alerta, respeitando as regras sanitárias de combate à pandemia, a uma grande MANIFESTAÇÃO, um ato cívico em defesa da PÁTRIA, da DEMOCRACIA, da FAMÍLIA e da LIBERDADE, manifestações que devem se repetir ao longo do ano e sucessivamente até que o SENADO FEDERAL assuma a responsabilidade que lhe foi conferida pelo art. 52 da Constituição e vote, imediatamente, seguindo os preceitos legais, os vários pedidos de IMPEACHMENT CONTRA OS MINISTROS DO STF que aguardam conclusão;

Nesta toada espera e confia o Movimento Brasil Verde e Amarelo que seja restabelecido no País a paz social e a almejada estabilidade, com a manutenção da ordem democrática, para que superemos, juntos, os efeitos deletérios da pandemia, da impunidade, da corrupção e das constantes e inconstitucionais violações ao estado de direito”.