Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Domingo 19 de Setembro de 2021

Geral

Sindicato pede que frentistas façam parte do grupo prioritário de vacinação contra Covid-19

Sindicato pede que frentistas façam parte do grupo prioritário de vacinação contra Covid-19

Sujeitos a contaminação | 06 de Abril de 2021 as 14h 44min
Fonte: Anderson Hentges

Foto: Reprodução

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Estado de Mato Grosso (Sindipetróleo), pediu para que o governo do estado inclua os frentistas na lista prioritária da vacinação contra a Covid-19.

Um ofício solicitando a inclusão foi encaminhado ao secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo. “Em apoio aos sindicatos que representam mais de 15 mil trabalhadores de 1.000 postos em todo o Estado, salienta que a categoria atua em um serviço essencial para a população”, diz trecho.

Conforme o diretor-executivo do Sindipetróleo, Nelson Soares, mesmo que esses profissionais trabalhem sob condições seguras, estão sujeitos a contaminação. “A própria atividade os expõem a uma possibilidade muito maior de contaminação, seja no manuseio de chaves, seja no manuseio de equipamentos para recebimento de pagamentos, seja no manuseio de dinheiro”, afirma.

De acordo com o Decreto Federal n. 10.282, de 20 de março de 2020, produção de petróleo, distribuição e comercialização de combustíveis, biocombustíveis, gás liquefeito de petróleo e demais derivados de petróleo, são consideradas atividades essenciais e estão liberadas a funcionar durante a pandemia mesmo que os estados e municípios determinem medidas mais rígidas como o lockdown, por exemplo.

“Os frentistas realizam um serviço essencial para a sociedade em rodovias e estabelecimentos nas cidades, estado expostos ao vírus. Nas rodovias o transporte, serviços de ambulâncias, médicos, enfermeiros, policiais e toda a classe que atua no combate a pandemia dependem do atendimento do trabalhador de postos para continuarem os serviços”, finaliza o ofício.