Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quarta Feira 17 de Julho de 2024

Menu

Poluição

Saiba quais são as cidades e os países mais poluídos do mundo

De acordo com relatório, 83 das 100 cidades com maior poluição no ar estão na Índia. Saiba quais são esses lugares

Geral | 24 de Março de 2024 as 23h 11min
Fonte: Fonte: Olhar digital, Science Alert

Foto: Olhar Digital

Com o passar dos anos, o planeta vem sofrendo com o aumento da poluição e tanto os animais, quanto os homens, vêm enfrentando as consequências. E e 6º Relatório Anual de Qualidade do Ar Mundial, do IQAir, mostrou quais são as 100 cidades que tem os maiores níveis de poluição do ar do mundo em 2023. Curiosamente, todas elas estavam na Ásia.

De acordo com o relatório, a crise climática tem um papel essencial para a piora da qualidade do ar. Isso consequentemente acaba colocando bilhões de pessoas em risco no mundo todo.

Para ranquiar quais eram os lugares mais poluídos, o relatório fez a análise do material particulado fino, ou PM2,5, que é o menor poluente, mas o mais perigoso. Como resultado, eles viram que somente 9% das mais de 7.800 cidades analisadas no planeta tinham uma qualidade do ar que atendia aos padrões estipulados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ou seja, ter níveis médios de PM2,5 menores do que cinco microgramas por metro cúbico anualmente.

O PM2,5 pode vir de vários lugares, como por exemplo, da combustão de combustíveis fósseis, tempestades de poeira e incêndios florestas. E ele é o poluente mais perigoso porque quando ele é inalado, ele vai para o tecido pulmonar e pode entrar na corrente sanguínea. Além disso, ele está relacionado com a asma, doenças cardíacas e pulmonares, câncer e outras doenças respiratórias, além do comprometimento cognitivo nas crianças.

Dos lugares onde a poluição é maior, 83 das 100 cidades, a maioria fica na Índia. Para se ter uma noção, 1,3 bilhão de pessoas, ou 96% da população do país vive com uma qualidade do ar sete vezes maior do que a OMS recomenda.

O relatório também apontou que a crise climática está provocando mudanças no vento e nas chuvas, afetando consequentemente a dispersão dos poluentes. Além disso, por conta dela também são vistos mais incêndios florestais e temporadas de pólen maiores e intensas, agravando ainda mais os problemas relacionados com a poluição do ar.

De acordo com a OMS, 6,7 milhões de pessoas morrem todos os anos por conta da poluição do ar ambiente e doméstica.

 

Ranking de poluição

A cidade mais poluída do mundo em 2023 foi Begusarai, no norte indiano, tendo uma concentração anual média de PM2,5 de 118,9. Depois dela, vem mais outras cidades da Índia: Guwahati, Deli e Mullanpur.

Com relação aos países mais poluídos do mundo ano passado, os campeões foram: Bangladesh, Paquistão, Índia e Tajiquistão.

Os lugares que tiveram uma qualidade do ar considerada “saudável” foram: Finlândia, Estônia, Porto Rico, Austrália, Nova Zelândia, Bermudas, Granada, Islândia, Ilhas Maurício e Polinésia Francesa.

 

Campo e cidade

Olhar digital

Nós podemos ver a poluição do ar, como se fosse uma neblina, sobre uma cidade. Por isso acreditamos que nas áreas rurais o ar parece ser mais limpo. Entretanto, de acordo com descobertas feitas pelos pesquisadores, mesmo nas áreas rurais existem partículas insalubres flutuando na atmosfera. Portanto, o ar do campo pode não ser tão puro assim quanto se imagina.

Acredita-se que o material particulado fino com menos de 2,5 micrômetros de diâmetro (PM2,5) seja o maior causador de danos para a saúde humana. Isso porque esses poluentes são pequenos o suficiente para conseguirem penetrar nos pulmões e danificar as células e tecidos existentes por lá.

Por conta disso, a Organização Mundial da Saúde estabeleceu um limite de segurança para os níveis ambientais de PM2,5. Contudo, esse limite ignorou as nuances de produtos químicos intrinsecamente tóxicos.

Pesquisas sugerem que a massa de partículas finas que se respira pode ser menos importante para a saúde do que a sua composição química. Até porque, algumas partículas mais leves podem ser mais propensas a produzir espécies reativas de oxigênio. Como resultado, podem ter efeitos tóxicos na saúde humana.

Além disso, quando os pesquisadores fizeram a comparação da poluição do ar em três áreas urbanas e em uma área rural no centro-oeste, eles encontraram níveis parecidos de potencial oxidativo. Isso foi visto mesmo que a área rural tivesse uma massa de PM2,5 relativamente menor.

Desse modo, a atividade agrícola contribuiu com 12% da massa de PM2,5. Mesmo com uma porcentagem baixa, ela representa mais de 60% do potencial oxidativo celular da região. Já o potencial oxidativo da maioria das áreas urbanas foi menor que 54%.

“No geral, nosso estudo indica que as fontes que contribuem substancialmente para a massa de PM2,5 não são necessariamente igualmente importantes em termos de seus efeitos na saúde”, escreveram os pesquisadores.

Esse estudo se baseou nas amostras semanais de PM2,5 que foram recuperadas no verão e outono de 2018, e no inverno e primavera de 2019, de Chicago, Indianápolis e St Louis, e de uma área rural em Illinois.

Depois disso, os pesquisadores analisaram a composição, massa e potencial oxidativo dessas amostras. Como resultado, eles encontraram uma relação fraca entre a massa e a toxicidade do material particulado fino. Além disso, os produtos químicos mais leves nas áreas rurais eram bem mais propensos a produzir subprodutos insalubres.

“Apesar de uma pequena contribuição para a massa de PM2,5, os riscos para a saúde das atividades agrícolas não podem ser ignorados. Também não podemos ignorar outras formas mais leves de partículas finas”, ressaltam os pesquisadores.