Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Sábado 13 de Julho de 2024

Menu

Segundo dados

Regiões do agronegócio tem taxa de assassinato maior do que em Cuiabá

Mato Grosso registrou 919 homicídios no ano passado

Geral | 20 de Maio de 2024 as 07h 44min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

Se por um lado o eixo da BR-163, a partir de Nova Mutum até a divisa com Pará é conhecido pela potência econômica do agronegócio pela produção de grãos, o Anuário Estatístico da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) de 2023 aponta que as cidades do eixo também são campeãs em números negativos também: a liderança nos índices de assassinatos.

Mato Grosso registrou 919 homicídios no ano passado. Se for levar em conta cada morte violenta pela quantidade proporcional de habitantes, a Região Integrada de Segurança Pública (RISP) de Guarantã do Norte lidera com 53,09 mortes a cada 100 mil habitantes. Dentre as cinco com maiores índices, também figura a RISP de Nova Mutum com 39,48 mortes a cada 100 mil e a de Sinop com 38,54. Juntas, essas três regiões representam 31 municípios.

Para se ter uma ideia da escalada da violência na região produtora de grãos, a RISP de Cuiabá, que congrega além da capital, os municípios de Acorizal, Barão de Melgaço, Chapada dos Guimarães, Nova Brasilândia, Santo Antônio do Leverger, teve a menor taxa de assassinatos: 9,58 a cada grupo de 100 mil habitantes.

Na comparação com 2022, houve apenas 4 mortes a menos no Estado, quando em 2022 a Sesp registrou 923 assassinatos. Na média, a taxa de homicídios em Mato Grosso é de 25,9 mortes a cada 100 mil habitantes.

A maioria dos assassinatos aconteceram entre 18h e meia-noite. A média é de dois homicídios por dia em Mato Grosso. A maioria das mortes são no domingo, mas se levar em conta a partir de sexta-feira, cerca de 50% das vítimas morreram entre sexta e domingo.

Em 88% dos casos, as vítimas são homens, 11% são mulheres e os demais casos o sexo da vítima não foi informado no boletim de ocorrência. A Sesp também faz distinção entre casos em que as mulheres foram assassinadas pela condição de serem mulheres (feminicídios) dos assassinatos que as vítimas são mulheres, mas que a motivação tenha sido retaliação de facção, dívidas com drogas e outros motivos.

Também foi apontado que 48% das vítimas de assassinato tinham entre 30 e 64 anos.

A reportagem de O Documento encaminhou há uma semana uma série de perguntas para a assessoria da Sesp sobre os motivos da explosão de crimes nas regiões do agro, contudo, não recebeu respostas aos questionamentos.