Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Sábado 13 de Julho de 2024

Menu

Investigação

Professor é preso em Portugal acusado de 2 mil crimes de abuso sexual de crianças

Geral | 09 de Maio de 2024 as 07h 35min
Fonte: Extra Globo

Foto: Reprodução

Um professor foi preso nesta quarta-feira em Braga, Portugal, acusado de pelo menos dois mil crimes de abuso sexual de crianças, segundo anunciou a Polícia Judiciária (PJ).

No comunicado, divulgado pela imprensa portuguesa, as autoridades revelam que o docente, de 50 anos, é suspeito "da prática de cerca de, pelo menos, do que foi possível apurar até ao momento, dois mil crimes de abuso sexual de crianças, a maioria agravados, e também, pelo menos, de um crime de pornografia de menores".

"As diligências investigatórias tiveram início após denúncia feita pela Escola Secundária da Póvoa de Lanhoso, relacionada com relatos de várias alunas de que teriam sido vítimas de abuso sexual por parte do suspeito", diz a PJ no documento.

Uma fonte da polícia adiantou à agência Lusa tratar-se de um professor do 1.º Ciclo (equivalente ao Ensino Fundamental no Brasil).

"O suspeito vinha praticando os abusos, pelo menos desde o ano letivo 2017/2018 até à atualidade, em contexto de sala de aula e sobre alunas com idades entre os 6 e os 9 anos, na escola básica onde se encontrava a trabalhar", diz o comunicado.

Nas buscas realizadas no local de trabalho do acusado, foram apreendidos objetos "que poderão estar relacionados" com a prática destes crimes, de acordo com a Polícia Judiciária.

A mesma fonte da PJ indicou à Lusa que o professor já tinha lecionado em escolas do Porto, de Vila Nova de Gaia, de Barcelos e de Amares.

"Sendo, por isso, ainda desconhecida a real dimensão da sua atividade criminosa", finaliza o comunicado.

O homem se apresentará ao Tribunal Judicial de Braga para oprimeiro Interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.