Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Domingo 14 de Julho de 2024

Menu

Investigação

Polícia Civil investiga morte de jovem em UPA de BH; família denuncia negligência médica

Segundo parentes, Mariane Silva Torres, de 26 anos, chegou à UPA Centro-Sul gritando de dor e sem sentir as pernas e, mesmo assim, o caso dela foi avaliado como 'sem prioridade'

Geral | 25 de Abril de 2024 as 17h 09min
Fonte: Redação G1

Foto: Arquivo pessoal

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informou que investiga a morte de Mariane Silva Torres, de 26 anos, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Centro-Sul, em Belo Horizonte. O caso aconteceu na última terça-feira (23). A família denuncia negligência médica.

Segundo parentes, após se queixar de não sentir as pernas, Mariane foi levada à unidade de saúde. Ela chegou ao local em uma cadeira de rodas, gritando de dor.

Ainda assim, teve o quadro avaliado como "sem prioridade" e recebeu uma "pulseira verde" ao passar pela triagem. Depois de cinco horas aguardando assistência, a jovem teve uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.

O corpo de Mariane foi velado em uma funerária da capital mineira nesta quarta-feira (24). Em seguida, levado e enterrado em Coronel Murta, no Vale do Jequitinhonha, onde a família mora.

A PCMG informou ao g1 que aguarda a conclusão dos laudos periciais e apura as causas e as circunstâncias da morte.

 

Demora no atendimento

O namorado de Mariane, João Cláudio Coelho, disse que a jovem ficou deitada no chão, agonizando e pedindo socorro, mas só foi atendida porque um paciente revoltado com a situação interveio e chamou o médico. Ela foi medicada para dor e, em seguida, teve uma convulsão.

Amigos e familiares cobraram explicações da equipe da UPA e registraram um boletim de ocorrência denunciando o caso. Nas redes sociais, outros pacientes confirmaram a demora no atendimento (veja abaixo).

Nas redes sociais, outros pacientes confirmaram a demora no atendimento. — Foto: Reprodução/MG2

Nas redes sociais, outros pacientes confirmaram a demora no atendimento. — Foto: Reprodução/MG2

 

Boletim de ocorrência

De acordo com registro da Polícia Militar, o médico responsável pelo plantão afirmou que a paciente foi classificada com o selo verde porque "provavelmente não tinha alteração de dados vitais".

Ainda conforme descrito no documento policial, a vítima ficou em observação por um tempo e, ao ser constatado que ela estava sem pulso, foi encaminhada à sala de emergência, onde os profissionais iniciaram as manobras de ressuscitação.

"A manobra foi realizada por cerca de uma hora e seis minutos, sem sucesso, e o óbito foi constatado às 18h01min do dia 23 de Abril de 2024. Posteriormente foi utilizado um aparelho de ultrassonografia , que detectou grande quantidade de líquido na região torácica suspeitando de embolia pulmonar", afirmou o médico.

 

 

O que diz a prefeitura

Ao g1, a Prefeitura de Belo Horizonte lamentou o ocorrido e disse que a paciente recebeu a assistência necessária enquanto esteve na unidade. Veja nota abaixo:

"A usuária chegou ao local às 13h30 com queixa de dor no peito e nas pernas. Ela passou pela classificação de risco às 13h32 e, por volta das 14h50, foi medicada.

Após estar medicada, e enquanto aguardava a reavaliação da equipe, a jovem teve uma parada cardiorrespiratória e foi imediatamente levada para a sala de emergência. Apesar de todos os esforços e manobras de ressuscitação, realizadas pelos profissionais da UPA por mais de uma hora, ela não resistiu às tentativas de reanimação. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML).

A Secretaria Municipal de Saúde se coloca à disposição para todos os esclarecimentos necessários".