Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Quinta Feira 16 de Setembro de 2021

Geral

Pesquisadores de Sinop criam “radar” para detectar fogo no Pantanal

Com colaboração internacional, associação busca financiamento para implementar o sistema de prevenção

Ciência | 25 de Março de 2021 as 18h 45min
Fonte: Jamerson Miléski

Foto: Mayke Toscano

Uma rede de informações capaz de mapear as alterações climáticas e apontar, em tempo real, princípios de incêndio, mesmo nas regiões mais longínquas do Pantanal Mato-grossense. Essa é a proposta de um grupo de pesquisadores de Sinop, que já contam com a colaboração científica da Universidade de Pepperdine (Califórnia-Estados Unidos), além do México, Namíbia e Quênia.

Esse “radar do fogo” é um projeto que vem sendo encubado pela AMEA (Associação Mato-Grossense de Educação Ambiental), que tem sua sede em Sinop. A pesquisa é uma resposta ao desastre ambiental ocorrido no ano passado no Pantanal de Mato Grosso – cerca de 30% do bioma foi atingido pelo fogo em 2020, algo em torno de 2,3 milhões de hectares consumidos pelas chamas.

Segundo a presidente da AMEA, Agnéia Siqueira, a associação criou um dispositivo capaz de monitorar os focos de incêndio em tempo real. A ideia é instalar esses aparelhos de modo a cobrir toda a área do Pantanal. Essa rede de monitoramento conseguiria comunicar Bombeiros, brigadas de combate a incêndio e demais autoridades ambientais sobre focos de incêndio logo no começo. Dessa forma o combate seria possível evitar o alastramento das queimadas. “Este aparelho já passou pela fase de teste. Agora a AMEA, busca recursos para viabilizar a implantação. A intenção é que este aparelho já esteja em funcionamento a partir do mês de julho deste ano, período em que as queimadas se intensificam. Mas que tudo depende do apoio financeiro”, revelou Agnéia Siqueira.

O equipamento desenvolvido pela AMEA coleta informações e imagens em tempo real. O aparelho monitora a temperatura do ar, umidade, ocorrência de chuva, pressão atmosférica, detecção de chamas, velocidade do vento e direção do vento. Dessa forma, o “radar” conseguirá gerar informações para traçar um padrão climático, podendo inclusive antecipar grandes sinistros.

A tecnologia embarcada no equipamento ainda é mantida em sigilo – a AMEA busca o registro de patente do aparelho. De forma genérica, esse radar do fogo é munido de diversos sensores que fazem a captura e transmitem as informações através de uma conexão de rede sem fio, de alta velocidade, que usa torres de tamanhos variados.

Para viabilizar o projeto a associação busca um aporte de R$ 3 milhões. A maior parte desse dinheiro financiaria a instalação das torres e dos equipamentos de monitoramento. Fundos ambientais, grandes grupos e até mesmo estrelas do Esporte estão sendo contatados pela AMEA na tentativa de conseguir o recurso. “A AMEA procurou o Corpo de Bombeiros para saber da viabilidade desse projeto. Recebemos respaldo da corporação”, afirmou Agnéia.

Mais do que apagar fogo

O primeiro alvo do projeto é evitar que o Pantanal vire cinzas. Mas a AMEA não nasceu apenas para apagar fogo. Segundo Agnéia, o propósito da associação – e também desse projeto – é a difusão da educação ambiental, para Mato Grosso, Brasil e o mundo. “Estabelecemos uma parceria com os Pós Doutores Arquimedes Luciano e Ana Paula Giacomassi, além ainda do professor Eric R. Hamilton, também PhD”, revela a presidente da AMEA.

Esses pesquisadores fazem parte da Universidade de Pepperdine, Califórnia. Com o apoio da National Science Foundation do governo dos EUA, esses pesquisadores criaram a IC4 (Comunidade Internacional para a Criação de Conteúdo Colaborativo). A comunidade IC4 envolve alunos do ensino médio do Brasil, Quênia, México, Namíbia e Estados Unidos em colaboração virtual baseada em projetos em ciência, tecnologia, engenharia e aprendizagem de matemática.

O projeto da AMEA recebeu o apoio da IC4. “As aplicações de seu sensor e tecnologia de dados para gerenciamento verde são empolgantes e estimulantes para nós - adoraríamos ver os alunos em nossa rede não apenas trabalhando com os dados que a rede de sensores produz, mas trabalhando com agências governamentais apropriadas na Califórnia e em outros lugares para ver se a mesma abordagem é viável aqui nos Estados Unidos. E, nós exploraríamos essa possibilidade com nossos parceiros de projeto”, escreveu o PhD Eric Hamilton, em resposta a AMEA.

Dessa forma, os dados colhidos pelo Radar do Fogo no Pantanal poderiam dar subsídios para alunos do mundo que estudam o bioma.

Outra possibilidade do projeto encubado em Sinop é estender o monitoramento por todo o Estado, gerando uma rede de previsão do tempo. “Por meio deste aparelho é possível criar uma malha tão precisa, capaz de informar a inversão térmica, direcionado exclusivamente para a colheita, expondo indicadores reais sobre período de chuva e estiagem, evitando possíveis prejuízos nas lavouras e propiciando aos agricultores informações importantes para que estes programem seus plantios e colheitas”, concluiu Rodolfo Fares Paulo, diretor de projetos da AMEA.