Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Domingo 03 de Março de 2024

Menu

Segundo ANAC

Passagens áreas estão mais caras em Mato Grosso do que antes e durante a pandemia de covid-19

Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)

Geral | 05 de Dezembro de 2023 as 12h 09min
Fonte: O documento

Foto: Divulgação

Os mato-grossenses estão pagando mais caro nas passagens áreas do que antes e durante a pandemia da covid-19. Conforme a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o preço médio das passagens no Estado é de R$ 951 no para ida e volta, valor 28% maior do que em 2019, quando o preço era em média de R$ 745 e 96% na comparação com 2020, na época o trecho de ida e volta tinha média de R$ 486.

Em todo o país, os passageiros estão sentindo o peso no bolso para voar. Mas o desejo de viajar tem efeitos na inflação do país. Em outubro deste ano houve a alta de 0,24%. As passagens áreas ficaram 23,7% mais caras do que em setembro. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

“É o segundo mês seguido de alta das passagens aéreas. Essa alta pode estar relacionada a alguns fatores como o aumento no preço de querosene de aviação e a proximidade das férias de fim de ano”, explica o gerente da pesquisa, André Almeida.

O IBGE também informou que os preços das passagens aéreas são sempre voláteis e variam bastante, sempre de acordo com as estratégias de mercado das empresas aéreas.

Os preços mais caros das passagens representaram redução no movimento de passageiros no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Conforme a Anac, cerca de 105 mil passageiros voaram no mês de outubro deste ano.

O número é cerca de 15% inferior ao movimento de passageiros em outubro de 2022, quando circularam 123 mil passageiros. Enquanto havia 129 mil assentos disponíveis para ser comercializados no mês de outubro em 2023, em 2022 foram 172 mil no mesmo mês.

Todas as companhias aéreas sentiram a redução no número de passageiros.