Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Segunda Feira 27 de Setembro de 2021

Geral

Otaviano Pivetta teria tentado estrangular a esposa com uma coberta

Áudio da ligação feita pela vítima à Polícia Militar foi divulgado nesta quinta

Gravação | 13 de Agosto de 2021 as 09h 53min
Fonte: Capital Notícia

Foto: Reprodução

Áudio divulgado com exclusividade pelo Jornal O Globo, nesta quinta-feira (12.08), revela como foi o pedido de socorro de Viviane Cristina Kawamoto, esposa do vice-governador Otaviano Pivetta (Sem partido). A gravação é da ligação que a vítima faz à Polícia Militar, onde conta que ele tentou estrangulá-la com uma coberta.

OUÇA O ÁUDIO

"A gente teve uma discussão durante o dia, normal... E agora à noite ele me falou: 'vamos orar!' E eu fui com ele na sala e lá eu tava com a coberta e ele começou a me estrangular com a coberta. E bater com minha cabeça no sofá. E começou a me chutar. E eu, pra me defender.... E ele pegou meu telefone... 'você vai ligar pra polícia? Vai ligar pra polícia?'. Ele pegou meu celular e começava bater no chão", relata a vítima.

O advogado de Viviane disse que a defesa não irá se manifestar. "Causa espécie o vazamento do áudio da vítima, Sendo que a defesa de Viviane não irá comentar o fato, em respeito ao sigilo do processo", explicou Huendel Rolim, ao Capital Notícia.

O vice-governador voltou a negar a agressão. “O vice-governador Otaviano Pivetta nega suposta agressão contra a ex-esposa Viviane Kawamoto. Em respeito às partes, repudiamos o vazamento de áudio que, de maneira seletiva, pode induzir e prejudicar a resolução do caso que corre em segredo de justiça”, afirma o advogado Rodrigo Cyrineu.

As agressões aconteceram no dia 7 de julho no apartamento do casal em Itapema (SC). Otaviano Pivetta foi indiciado pela Polícia Civil por lesão corporal leve.

Naquela noite, Viviane chamou a Polícia Militar de Santa Catarina, e relatou aos militares que o vice-governador havia lhe agredido e batido algumas vezes com sua cabeça no sofá. “Que a mesma mostrou aos policiais marcas de vermelhidão em seu rosto, pernas e braço gerado pelas agressões”, diz trecho do documento.

De acordo com o laudo assinado pelo 3º sargento do Corpo de Bombeiros, Adriano Ribeiro da Silva, Viviane Kawamoto estava consciente, orientada e com sinais vitais normais. Relatou dores e escoriações na região da cabeça, lábios, braços e pernas

 

Confira a matéria completa do Jornal O Globo

Após uma sessão de espancamento, Viviane Cristina Kawamoto Pivetta, mulher do vice-governador de Mato Grosso, Otaviano Pivetta, pediu ajuda à polícia. Aos prantos, a advogada relatou uma tentativa de estrangulamento, chutes e pancadas na cabeça. O GLOBO obteve o áudio da gravação, que está sob segredo de Justiça, e foi confirmada pela defesa da vítima.

Otaviano foi indiciado pela Polícia Civil de Santa Catarina por de lesão corporal. Ele é suspeito de ter agredido Viviane. No áudio, o policial pergunta se a advogada foi agredida pelo marido. Viviane responde:

"A gente teve uma discussão durante o dia, normal... E agora à noite ele me falou: "vamos orar!" E eu fui com ele na sala e lá eu tava com a coberta e ele começou a me estrangular com a coberta. E bater com minha cabeça no sofá. E começou a me chutar. E eu, pra me defender.... E ele pegou meu telefone... "você vai ligar pra polícia? Vai ligar pra polícia? Ele pegou meu celular e começava bater no chão".

De acordo com Viviane, o vice-governador só parou de agredí-la após ela ter segurado nos testículos dele e apertado. Conforme consta no áudio, a advogada fez o telefonema em frente ao apartamento onde o casal estava. Ela informou ao policial que era um caso de violência doméstica e que o marido não havia bebido.

O advogado da vítima, Huendel Rolim, confirmou a veracidade do áudio.

- Causa espécie o vazamento do áudio da vítima, sendo que a defesa de Viviane não irá comentar o fato, em respeito ao sigilo do processo - afirmou Rolim.

Procurado pelo GLOBO, Otaviano Pivetta disse que estava no trânsito e não poderia falar. A reportagem aguarda o retorno do contato.