Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Quinta Feira 29 de Fevereiro de 2024

Menu

Solidariedade

ONG 'Voluntários por amor' transforma a vida de mais de 37 famílias em Sinop

As familias atendidas estão em situação de vulnerabilidades ou com alguma síndrome ou doença rara

Geral | 21 de Dezembro de 2023 as 13h 05min
Fonte: João Silvestri Klein

Foto: Divulgação

A ONG "Voluntários por Amor" está fazendo a diferença na vida de 37 famílias que enfrentam situações de vulnerabilidade e lidam com alguma síndrome ou doença rara. Fundada em 2017 por uma mãe inspiradora, cujo filho é diagnosticado com autismo severo, a organização nasceu da necessidade de oferecer suporte e informação a famílias que enfrentam desafios semelhantes.

São 17 voluntários que ajudam no projeto que consiste em um acompanhamento meticuloso de todas as crianças atendidas, proporcionando mensalmente roupas, calçados, alimentação, suporte médico, medicações, fórmulas e suplementos alimentares, especialmente para aqueles que utilizam sonda para se alimentar.

A presidente da ONG, Iracema Dutra Lopes destaca a importância do projeto ao afirmar que "O custo de uma criança com necessidades especiais vai muito além do que as pessoas possam imaginar". A falta de informação e a ausência de recursos adequados são desafios enfrentados diariamente por essas famílias, tornando essencial o papel desempenhado pela ONG.

As pessoas que queiram ajudar ou se voluntariar no projeto podem estar entrando em contato no telefone: (66) 996428585  e também doando via Pix (66996428585). As doações serão destinadas à compra de leite, cestas básicas e fraldas, itens essenciais para garantir o bem-estar das crianças e suas famílias. 

Além do apoio material, a ONG também está empenhada em conscientizar a sociedade sobre a realidade das síndromes, como o autismo, epilepsias e doenças raras, que muitas vezes não são compreendidas adequadamente. A fundadora ressalta que "a sociedade ainda não está preparada para essas síndromes" e enfatiza a necessidade contínua de esclarecimento e inclusão.