Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bom dia, Quarta Feira 17 de Abril de 2024

Menu

Expansão urbana

O novo eixo dos condomínios de alto padrão em Sinop

Empreendimentos que empurraram a fronteira Oeste da cidade agora podem ser vistos também no eixo Leste

Geral | 21 de Fevereiro de 2024 as 17h 21min
Fonte: Jamerson Mileski

Foto: GC Notícias

No começo dos anos 2000, um ousado produto imobiliário foi apresentado à cidade de Sinop. Era um condomínio fechado horizontal, conceito até então incomum. Em uma época que a verticalização estava restrita a um único edifício de 10 andares, o condomínio fechado horizontal se postulava a ser a opção de “alto padrão” para morar em Sinop.

O empreendimento foi implantado na Estrada Nanci, no eixo Oeste da cidade, muito fora do perímetro urbano original de Sinop. No setor imobiliário costuma-se dizer que “localização” é o primeiro fator que define um imóvel de alto padrão. Mas a distância não era o único obstáculo. A cidade estava longe de ter a infraestrutura que tem hoje. A pavimentação asfáltica chegava até a catedral. Entre o último asfalto e o “condomínio nobre” havia quase 4 quilômetros de estrada de terra: pó no período da seca, lama na época das chuvas.

Mesmo assim, o pioneirismo venceu. O empreendimento foi exitoso e ajudou a empurrar o limite urbano da cidade. Logo, na mesma região, brotaram novos empreendimentos, ainda mais complexos, elevando a régua do alto padrão. O desenvolvimento desse eixo Oeste de Sinop acabou forçando o poder público a levar a infraestrutura para comportar a nova demanda. E, pouco tempo depois, uma nova região, confinada a um único acesso por uma rodovia com 6 metros de largura, passou a ter largas avenidas que a integram à centralidade.

Por anos os condomínios horizontais de alto padrão se multiplicaram nesse setor entre o centro de Sinop e o aeroporto. Mais recentemente o mercado imobiliário que opera com esse tipo de produto vem mirando para o lado onde nasce o sol.

O novo eixo dos empreendimentos imobiliários de alto padrão em Sinop fica no Leste, ou como se diz na cidade, do outro lado da BR-163. Em fevereiro de 2024 existem 3 condomínios horizontais de alto padrão sendo implantados nesse setor da cidade – além de outros dois projetados para serem lançados em 2024 e 2025. Juntos, esses empreendimentos totalizam 2.655 lotes cercados por muros, lagos, áreas de lazer e serviços de excelência.

O primeiro condomínio fechado a mirar o eixo Leste foi o Tuim. Lançado em março de 2022, o empreendimento tem em seu interior 336 lotes e o maior lago ornamental do Brasil, com 7,5 mil metros quadrados de lamina d’água. Em 2023, um condomínio ainda maior, o Párkia Clube, com 1002 lotes, também de alto padrão. No começo de 2024, um novo lançamento, o Maranville, com 499 lotes.

Além dos 3 empreendimentos em curso, já estão sendo projetados outros dois condomínios nesse eixo Leste, que vão entregar mais 818 lotes para o mercado de topo.

O lado Oeste teve outros empreendimentos que ajudaram a promover o desenvolvimento, como o Aeroporto, faculdades e o centro de pesquisa da Embrapa. No lado Leste a fórmula é similar. Nesse novo eixo está a UFMT (Universidade Federal), uma faculdade privada e o Centro de Eventos Dante de Oliveira. Mas é o Shopping Sinop, inaugurado em outubro de 2021, o maior atrativo desse novo eixo urbano. A maior estrutura varejista da cidade deu um tom de “cidade grande” para Sinop. Isso fez com que os residenciais mais próximos shopping passassem a valer mais, justamente pela nova demanda. Para somar, em breve uma ampla estrutura hoteleira será erguida na extensão do Shopping Sinop. Por enquanto ainda está no projeto.

A logística ainda é um obstáculo para a nova região dos condomínios. Embora não haja estrada de terra, a passagem pela BR-163 pode ser morosa nos momentos de pico – problema muito similar ao início do eixo Oeste. Já estão previstas obras estruturantes na passagem urbana da rodovia federal, com mais viadutos e dispositivos diamante que facilitarão a travessia, comprovando a máxima de que a infraestrutura pública vem após a demanda.