Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa noite, Segunda Feira 15 de Julho de 2024

Menu

Foragida a 17 anos

Mulher acusada de matar a própria filha pela guarda do neto é presa no PR

Usando o nome falso de Lourdes, Tânia foi localizada graças a uma denúncia anônima

Geral | 13 de Maio de 2024 as 07h 28min
Fonte: UOL

Foto: Reprodução/PM do Paraná

Tânia Djanira Melo Becker de Lorena, que estava foragida havia 17 anos, foi presa neste sábado (11) pela PM (Polícia Militar) do Paraná. Ela é acusada de assassinar a própria filha, Andréa Rosa de Lorena, para ficar com a guarda do neto.

 

O que aconteceu

Tânia foi presa por agentes do 10° Batalhão da PM em uma residência em Marilândia do Sul, no norte do Paraná. Ela foi localizada graças a uma denúncia anônima e não ofereceu resistência à prisão.

Foragida, usava o nome falso de "Lourdes", segundo informou a PM. Após a prisão, ela foi encaminhada ao Sistema Prisional de Apucarana, também no norte do estado.

Ela foi localizada dois dias após o programa Linha Direta apresentar o caso, que chocou o país em 2007. O programa recontou a história que ocorreu no tranquilo município de Quatro Barras, no Paraná, onde a vida de Andréa Rosa de Lorena, de 23 anos, tomou um rumo trágico.

 

A história

Andréa morava com a mãe, Tânia, de 42 anos, e seus dois filhos: Lucas, de 5 anos, e uma bebê de 9 meses. A harmonia entre as duas foi abalada quando Andréa sofreu um acidente de moto, levando-a a se mudar para a casa do pai. Tânia decidiu manter a guarda de Lucas, resultando em um conflito judicial com a própria filha.

Andréa e as crianças desapareceram após um almoço. Tânia e seu companheiro, Everson Luiz Cilian, visitaram Andréa para um almoço em família, juntamente com Juliano Saldanha, companheiro de Andréa. Após Juliano sair mais cedo para trabalhar, ele retornou ao lar e encontrou apenas Tânia e Everson com as crianças.

Tânia informou que Andréa havia saído com sua irmã, mas a verdade é que a filha já estava morta. Após uma busca frustrada pelas crianças, Juliano acionou a polícia. Dois dias depois, ele descobriu o corpo de Andréa escondido sob a cama do casal, estrangulada com um fio elétrico.

Tânia foi denunciada pelo MP-PR (Ministério Público do Paraná) em dezembro de 2007 por homicídio triplamente qualificado. O UOL tentou obter mais informações junto ao MP-PR, mas até o momento o órgão não havia respondido aos questionamentos. A defesa de Tânia não foi localizada.