Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Boa tarde, Terça Feira 16 de Abril de 2024

Menu

Entenda o quadro

Médicos encontram vermes em cérebro de homem que comeu bacon mal cozido

Cistos de tênia se fixaram na região cerebral de paciente nos Estados Unidos, ocasionando neurocisticercose após ele comer a carne suína

Geral | 20 de Março de 2024 as 13h 17min
Fonte: Redação Galileu

Foto: Byrnes E, Shaw B, Shaw R, Madruga M, Carlan

Um estudo publicado no último dia 7 de março no American Journal of Case Reports detalhou o caso de um homem de 52 anos que desenvolveu uma infecção cerebral ocasionada por parasitas nos Estados Unidos. A condição foi causada pela larva Taenia solium, provavelmente após a ingestão de bacon mal cozido.

A larva do verme T. solium contamina normalmente os porcos, mas se alimentar de suínos crus ou mal cozidos pode ocasionar o contágio em humanos. O ser humano pode se contaminar também no contato com as fezes contendo os ovos do parasita.

A ingestão das larvas pode ocasionar teníase — o desenvolvimento do verme denominado tênia no intestino humano. No entanto, o paciente teve cisticercose, uma versão dessa infecção que ocorre com a fixação dos cistos nos músculos ou no cérebro.

Como o alvo no paciente dos EUA foi o sistema nervoso central, a condição é chamada de neurocisticercose. Os sintomas mais comuns disso são fortes e frequentes dores de cabeça, além de convulsões — que são sentidas por até 80% dos pacientes, segundo o site Live Science.

 

Diagnóstico

Os médicos nos EUA descobriram o quadro parasitário do paciente após ele se queixar que suas enxaquecas habituais estavam mais fortes e mais frequentes, sem melhora aos tratamentos habituais.

Na clínica em que o homem estava sendo tratado, foi realizada uma tomografia computadorizada que revelou vários cistos na massa branca do cérebro — localizados especificamente nas fibras nervosas e profundas do órgão. Além disso, havia um aglomerado de cistos no canto inferior direito na região cerebral.

Os médicos internaram o paciente com urgência em um hospital. E então, foi realizada uma ressonância magnética que revelou mais cistos na parte frontal e média da camada externa do cérebro. Também foi possível identificar inchaço cerebral, confirmando o diagnóstico por neurocisticercose.

O homem do caso não tinha histórico que pudesse tê-lo exposto diretamente à doença, já que ele não havia viajado recentemente e nem teria visitado uma fazenda, por exemplo. No entanto, o paciente admitiu que na maior parte de sua vida houve o constante hábito de consumir bacon “macio” e mal cozido.

O verme "Taenia solium" — Foto: Wikimedia Commons

O verme "Taenia solium" — Foto: Wikimedia Commons

Os médicos envolvidos no caso acreditam que o homem pode ter desenvolvido primeiro a teníase devido seus hábitos alimentares e depois, pode ter contraído a cisticercose por não lavar as mãos após usar o banheiro.

O paciente sobreviveu à infecção cerebral após ter tratamento imediato com antiparasitários e anti-inflamatórios. Os medicamentos conseguiram reduzir o tamanho das lesões parasitárias, o que levou à melhora na dor de cabeça, conforme relataram os autores do caso.

Os médicos enfatizaram em seu estudo não haver motivos para preocupação com a neurocisticercose, que é algo incomum. "A neurocisticercose é uma infecção parasitária do cérebro, mais comumente adquirida por meio de viagens a países em desenvolvimento onde a cisticercose e a teníase são endêmicas. É muito raro para os pacientes contraírem neurocisticercose fora de exposições ou viagens clássicas", eles escreveram.